Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Set de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Crise política no Brasil pode paralisar reformas pró-mercado - Jornal Brasil em Folhas
Crise política no Brasil pode paralisar reformas pró-mercado


O escândalo de corrupção que atinge o presidente Michel Temer ameaça dificultar a saída do país da recessão, caso as reformas pró-mercado fiquem paralisadas no Congresso - apontam analistas.

A economia se ressentirá muito com a atual situação de crise. Temo um terceiro ano consecutivo de recessão, disse à AFP o professor de Economia Gesner Oliveira, da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP) e sócio da consultoria GO Associados.

Ecoando as previsões pessimistas, a classificadora de riscos financeiros Standard and Poors afirmou nesta terça-feira (23) que poderá rebaixar a nota do Brasil, devido à crescente incerteza política.

Temer, de 76 anos, declarou na quinta-feira passada (18) que seu governo estava vivendo seu melhor e seu pior momento em um ano, quando substituiu Dilma Rousseff, afastada pelo processo de impeachment.

A queda da inflação, os números de retorno ao crescimento e os dados de geração de emprego criaram esperanças de dias melhores, disse o presidente.

Não podemos jogar no lixo da história tanto trabalho em prol do país, acrescentou, atribuindo esses avanços às medidas de ajuste já aprovadas - como a PEC do teto dos gastos públicos -, ou em discussão no Congresso, como as reformas trabalhista e da Previdência.

Se Temer sonhava com entregar um país saneado e em ordem a quem for eleito em outubro de 2018, seu sonho foi arruinado pela gravação de uma conversa com Joesley Batista, um dos donos da JBS.

A Bolsa despencou 8,8%, o real sofreu uma desvalorização de quase 8% em relação ao dólar e, desde então, a prudência predomina nas operações.

As coalizões no poder e nos mercados - as duas principais bases de Temer em meio à forte impopularidade - se movem com duas preocupações: sobreviver politicamente e manter as reformas de pé.

- Prosseguir igual, mas sem Temer -

Sem mencionar Temer, a poderosa Confederação Nacional da Industria (CNI) publicou nesta terça-feira um comunicado de página inteira nos principais jornais do país, alertando para a necessidade das reformas, apesar da situação de incertezas e instabilidade.

A indústria brasileira entende que não pode haver retrocessos nos avanços duramente conquistados nos últimos anos. Por isso, o Congresso Nacional tem que dar continuidade às reformas estruturais, que são fundamentais para voltar a colocar o país no rumo certo, afirma a CNI.

Para Geisner Oliveira, a continuidade das reformas está em risco.

Neste momento, diria que (as reformas) não têm chances de serem aprovadas, avaliou, em entrevista por telefone na noite domingo.

Se a crise for superada e as reformas avançarem, este ano, o PIB poderá crescer 0,60%, cerca de 150.000 empregos poderão ser criados e a taxa básica de juros - atualmente em 11,25% - poderá cair para 8,5%, segundo as projeções da Go Associados.

Já a paralisia das reformas poderia fazer o PIB despencar em 1% e levar à demissão de 380.000 trabalhadores, completa.

- A carta Meirelles? -

Segundo o jornal Valor Econômico, se Temer renunciar ou sofrer impeachment, o candidato preferido dos profissionais do mercado financeiro é o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que esteve à frente do Banco Central durante os dois mandatos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010).

Em caso de vacância de poder na segunda metade de um mandato, a Constituição prevê que o Congresso escolha um substituto para completar o período.

Ontem (22), Temer conversou com investidores internacionais para tentar aplacar seus temores. Nesta terça (23), em uma conferência em São Paulo, o presidente declarou que a política econômica será mantida acima de qualquer outra coisa.

Meirelles terá de explicar provavelmente, antes de assumir o eventual papel de homem necessário, qual foi sua atuação na Presidência (de 2012 a 2016) do conselho de administração do J&F, o grupo que controla a JBS, com vários litígios pendentes com a Justiça.

 

Últimas Notícias

Terremoto mata mais de 20 crianças em escola do México
“CPMI da JBS precisa de base técnica antes de iniciar depoimentos”, diz Caiado
Câmara de Aparecida faz homenagem aos servidores da Polícia Civil
Juca de Lima estreia exposição de arte no HGG
Iris: “Governador teve visão extraordinária de futuro e se antecipou à crise de abastecimento”
Experiências na Natureza vai desenvolver atividades de turismo nos parques estaduais e em áreas naturais de Goiás
Divulgada relação de shows regionais selecionados para o Canto 2017
Coro Sinfônico Jovem apresenta Cantos Da Terra

MAIS NOTICIAS

 

Países avançam sobre Acordo de Paris; EUA mantém posição
 
 
Ryanair vai cancelar 2 mil voos para melhorar pontualidade
 
 
Facebook abre laboratório de inteligência artificial no Canadá
 
 
Londres em alerta máximo enquanto procura autor de atentado no metrô
 
 
S&P eleva nota da dívida de Portugal
 
 
Mais da metade dos pilotos da Avianca entrará em greve na Colômbia

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212