Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Set de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Contas do RJ com plano de recuperação devem ser revistas, diz subsecretário - Jornal Brasil em Folhas
Contas do RJ com plano de recuperação devem ser revistas, diz subsecretário


Entre cortes de despesas e aumento de receitas, o estado do Rio de Janeiro previa adicionar cerca de R$ 61,6 bilhões ao caixa nos próximos três anos, com a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal dos Estados e do Distrito Federal, sancionado na semana passada. A expectativa levava em com a adesão ao programa no início de 2017, mas, com o prolongamento dos debates no Congresso Nacional e na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), a conta precisa ser refeita, disse hoje (17) o subsecretário de Fazenda, Luiz Cláudio Gomes.

“A expectativa do Executivo era que essas medidas tivessem se iniciado em janeiro deste ano. Todos acompanharam como foi difícil a aprovação no Congresso Nacional, principalmente na Câmara dos Deputados”, disse o subsecretário em audiência pública hoje (23) na Alerj.

A Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro tem hoje sua primeira reunião com o Ministério da Fazenda depois da sanção e publicação da lei complementar que instituiu o ajuste fiscal para os estados superendividados. O texto foi sancionado pelo presidente Michel Temer na sexta (19) e publicado ontem (22) no Diário Oficial da União.

Com a lei, estados que vivem situação fiscal grave poderão adiar o pagamento de sua dívida com a União por três anos, oferecendo certos compromissos como contrapartidas. Entre elas estão privatizações de empresas estaduais e restrições a concursos públicos, a reajustes de remunerações de servidores e a novos empréstimos.

Segundo tabelas apresentadas pelo subsecretário, o Rio de Janeiro esperava para este ano um acréscimo de cerca de R$ 26 bilhões, e, nos dois anos seguintes, cerca de R$ 18 bilhões em cada um. Gomes ainda não tem uma estimativa do impacto do atraso nesses valores. A dívida consolidada líquida do estado é de cerca de R$ 107 bilhões.

Para conseguir a ajuda federal, no entanto, o governo fluminense depende da aprovação de medidas que geraram manifestações nos últimos meses, como a privatização da Companhia Estadual de Água e Esgoto (Cedae) e a ampliação do desconto previdenciário dos servidores públicos de 11% para 14%. Além disso, a adesão ao regime precisa ser aprovada no plenário da Alerj.

Gomes foi categórico ao afirmar que “não há outra opção” para o estado a não ser aderir ao regime, mas parlamentares que acompanharam a audiência pública questionaram o representante do governo. O presidente da Comissão de Tributação da Alerj, deputado Luiz Paulo (PSDB), disse que os números precisam ser revistos e que é preciso calcular também quanto o governo pagará a mais com o aumento da alíquota previdenciária dos servidores ativos, já que o estado, como empregador, paga o dobro da alíquota de 11% dos servidores.

“As projeções precisam passar por uma profunda revisão. Foram feitas há meses e estão cheias de buracos”, disse Luiz Paulo.

Dívida ativa

O deputado Paulo Ramos (PSOL) pediu que o governo fluminense busque recursos na dívida ativa das empresas com o estado, que soma mais de R$ 77 bilhões, e criticou o controle sobre a concessão de incentivos fiscais, outra das contrapartidas. “É preciso fazer a diferenciação entre incentivo fiscal e favor fiscal.”

Para o presidente da Comissão de Economia, Indústria e Comércio da Alerj, Waldeck Carneiro (PT), o regime não oferece soluções estruturais para o problema fiscal do estado e apenas adia o pagamento das dívidas. “Estamos conseguindo prorrogar por três anos os compromissos com a União, mas como vivemos uma crise de receita, esse acordo pode funcionar como um abraço de amigo-urso”, comparou.

O procurador-geral do estado, Leonardo Espíndola, argumentou que a dívida ativa muitas vezes esbarra em empresas falidas, decisões judiciais ou regras excepcionais. “Esse valor não pondera a qualidade do crédito ou do devedor desse crédito”, disse. “A dívida ativa não é a solução para todos os nossos males, infelizmente. Ela não é a panaceia que se anuncia. Ela tem muitos créditos podres”, acrescentou Espíndola. Segundo o procurador-geral, o estado conseguiu aumentar em 12% a arrecadação da dívida ativa em 2017.

Presidente da Comissão de Orçamento, Finanças, Fiscalização Financeira e Controle da Casa, Paulo Melo (PMDB) estimou que apenas 20% da dívida ativa podem ser de fato recuperados. “Temos [na dívida ativa] empresas que não existem mais”. Apesar de reconhecer que há incentivos “estapafúrdios”, Melo também defendeu a política de incentivos fiscais e disse que os benefícios podem atrair empresas que evitaram que regiões do estado ficassem “mortas” durante a crise.

 

Últimas Notícias

Terremoto mata mais de 20 crianças em escola do México
“CPMI da JBS precisa de base técnica antes de iniciar depoimentos”, diz Caiado
Câmara de Aparecida faz homenagem aos servidores da Polícia Civil
Juca de Lima estreia exposição de arte no HGG
Iris: “Governador teve visão extraordinária de futuro e se antecipou à crise de abastecimento”
Experiências na Natureza vai desenvolver atividades de turismo nos parques estaduais e em áreas naturais de Goiás
Divulgada relação de shows regionais selecionados para o Canto 2017
Coro Sinfônico Jovem apresenta Cantos Da Terra

MAIS NOTICIAS

 

Países avançam sobre Acordo de Paris; EUA mantém posição
 
 
Ryanair vai cancelar 2 mil voos para melhorar pontualidade
 
 
Facebook abre laboratório de inteligência artificial no Canadá
 
 
Londres em alerta máximo enquanto procura autor de atentado no metrô
 
 
S&P eleva nota da dívida de Portugal
 
 
Mais da metade dos pilotos da Avianca entrará em greve na Colômbia

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212