Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Ago de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Otan vai integrar coalizão contra o grupo Estado Islâmico - Jornal Brasil em Folhas
Otan vai integrar coalizão contra o grupo Estado Islâmico


O países da Otan concordaram, nesta quarta-feira, em integrar como organização a coalizão internacional que luta contra os extremistas do grupo Estado Islâmico (EI), um pedido de Washington que deverá ser confirmado na quinta-feira em uma cúpula dos mandatários da Aliança.

Os embaixadores da Otan acabam de tomar a decisão de se unir como organização à coalizão, que agora deverá ser confirmada pelos chefes de Estado e de Governo no encontro de quinta-feira, indicou à AFP uma fonte diplomática.

Os Estados Unidos querem que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) se torne - como organização - membro desta coalizão internacional contra os extremistas na Síria e no Iraque, da qual já participam 28 países-membros a nível individual.

Há algum tempo Washington solicitava a entrada da Aliança e o presidente americano, Donald Trump, queria consegui-lo em sua primeira cúpula. E parece que conseguiu.

Esta fonte diplomática explicou que os embaixadores acordaram um plano de ação contra o terrorismo, que inclui a entrada da Otan na coalizão internacional contra o EI e uma expansão dos voos Awacs.

A Otan forneceu até o momento, como organização observadora, um suporte secundário à coalizão por meio de missões de reconhecimento com seus aviões Awacs no céu da Turquia e o treinamento de oficiais iraquianos.

O novo plano significa que os Awacs não só vão monitorar o céu, como também irão coordenar os voos sobre a Síria e o Iraque, mas apenas aqueles que não estiverem ligados a bombardeios, afirmou a fonte, que pediu anonimato.

Países como a Itália e a França se opunham a esta entrada para não desgastar a imagem da Aliança, já prejudicada pelos bombardeios em 2011 na Líbia, que deixaram uma má recordação nos países árabes, segundo a fonte diplomática.

- Um passo realmente importante -

Para os Estados Unidos, a entrada da Otan na coalizão contra o EI representa um passo realmente importante, nas palavras de seu chefe da Diplomacia, Rex Tillerson, antes de saber da decisão dos embaixadores.

A luta contra o terrorismo era uma das principais críticas de Trump contra a Otan.

O secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, assinalou durante a manhã que a Aliança tinha que fazer mais pela luta anti-terrorista depois do atentado extremista de Manchester, que custou a vida de 22 pessoas.

O presidente da primeira potência militar mundial também criticou que seus sócios transatlânticos não investem o suficiente em Defesa, chegando a questionar o princípio de ajuda mútua da Otan em caso de ataque a um de seus membros.

O presidente quer realmente que os aliados intensifiquem suas obrigações e aumentem o seu gasto militar nacional para 2%, como se comprometeram a fazer em um prazo de 10 anos, em uma cúpula no País de Gales em 2014, indicou Tillerson, advertindo que o discurso de Trump será muito duro nesse sentido.

Sobre o compromisso de defesa coletiva, estampado no Artigo 5 do Tratado de Washington, o chefe da Diplomacia destacou que é claro que os EUA o apoiam e lembrou que Washington foi o primeiro e único a invocá-lo depois dos atentados de 11 de setembro.

 

Últimas Notícias

Sudeste da China está em alerta perante chegada do tufão Hato
Acompanhado por milhões de pessoas, eclipse total do sol acaba nos EUA
Trump observa eclipse solar sem proteção por segundos e viraliza na rede
Presidente Buhari retorna à Nigéria após tratamento em Londres
Destroços de navio da II Guerra Mundial encontrados após 72 anos
Indiana obtém divórcio porque sua casa não tinha banheiro
Grupo de executivos adverte sobre riscos de robôs assassinos
EUA, México e Canadá defendem Nafta melhorado em ritmo rápido

MAIS NOTICIAS

 

CIDADES
Agetul diz que não ‘vê motivo’ para indenizar vítimas Mutirama

O presidente Agetul, Alexandre Magalhães, responsável pelo Parque Mutirama, disse que “não vê motivo” para indenizar as 13 pessoas que se feriram depois de um problema no brinquedo Twister.

 
 
ESPORTE
Neymar evita mal-estar com o Barcelona na apresentação no PSG

Suas primeiras palavras como jogador do Paris Saint Germain (PSG) giraram em torno de uma única ideia. “Quero desafios maiores”, repetiu Neymar em sua apresentação aos meios de comunicação em uma sala de imprensa lotada.

 
 
POLÍTICA
Partidos da base pressionam Temer por cargos de infiéis em votação

Partidos da base aliada de Michel Temer que votaram em massa a favor do presidente, derrubando a denúncia da Procuradoria-Geral da República.

 
 
MUNDO
George Pell se defende: abuso sexual é abominável

O Cardeal George Pell afirmou nesta quinta-feira que entraria de licença do Vaticano para retornar à Austrália e lutar contra as acusações de abuso sexual infantil.

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212