Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Ago de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Colin Farrell reencontra diretor de O Lagosta em The Killing of a Sacred Deer, exibido em Cannes - Jornal Brasil em Folhas
Colin Farrell reencontra diretor de O Lagosta em The Killing of a Sacred Deer, exibido em Cannes


CANNES, França (Reuters) - Peça a Colin Farrell para comentar a insistência do diretor Yorgos Lanthimos em dizer que o filme que levou ao Festival de Cannes deste ano é uma comédia e ele explode de rir.

Ele não bate bem da cabeça, disse Farrell à Reuters sobre Lanthimos, que escreveu e dirigiu The Killing of a Sacred Deer, exibido no festival de cinema.

Existem algumas coisas engraçadas nele, algumas abordagens existenciais que são engraçadas mesmo sendo constrangedoras, tenho certeza. Mas... para mim, pelo menos, é uma tragédia sombria, disse Farrell, que interpreta um personagem quase anestesiado por um acontecimento traumático de seu passado.

Sacred Deer mergulha no universo dos filmes de terror ainda mais do que o angustiante O Lagosta, no qual Farrell viveu um homem destinado a se tornar um crustáceo e que competiu em Cannes dois anos atrás.

Quase impossível de descrever sem revelar demais, Sacred Deer traz o ator como um cirurgião cardíaco que, no início do filme, tem um relacionamento misterioso com um adolescente. À medida que sua vida familiar desmorona, ele é forçado a fazer uma escolha impossível, o sacrifício do título.

Sacred Deer é um de dois filmes de Farrell competindo em 2017 pela Palma de Ouro em Cannes – o outro é O Estranho Que Nós Amamos, de Sofia Coppola, também estrelado por Nicole Kidman.

É um enfoque intrigante, perturbador, divertido sobre algo que de muitas maneiras poderia ser um misto de terror e suspense convencional dos anos 1970 ou 1980, ou mesmo um pesadelo à la Atração Fatal dos anos 1990, escreveu Peter Bradshaw, do jornal The Guardian, a respeito do lançamento, que disse explorar seu espectro próprio de esquisitice.

Lanthimos contou que estava buscando a comédia e o terror --como fez em O Lagosta, que provocou bastante burburinho em Cannes em 2015, mas não levou a Palma de Ouro.

Criar algo que seja engraçado, horroroso, trágico e violento, tudo ao mesmo tempo --indo de um para o outro--, é isso que venho tentando fazer na maioria dos meus filmes, disse o diretor grego à Reuters.

Durante a entrevista de Farrell, era possível ouvir a trilha sonora impactante que acompanha o desenrolar arrepiante de Sacred Deer através das paredes de uma sala próxima.

Apontando na direção da sala de exibição, Farrell disse: Outras 800 pessoas estão sendo torturadas.

 

Últimas Notícias

Para Barroso, cidadão deve saber quanto juiz recebe: ganho R$ 23 mil
HBO oferece U$250 mil como pagamento de recompensa a hackers, diz Variety
HBO teria oferecido recompensa para hackers
Brasil ganha concurso latino-americano de integração de espaços interativos
Imagens de satélite sugerem que Pyongyang prepara teste de míssil submarino
Gert se transforma em furacão no Atlântico, a 720 km das ilhas Bermudas
EUA: empresa contesta ordem judicial de obtenção de dados de internautas
Trump volta a atacar Amazon por empregos perdidos

MAIS NOTICIAS

 


CIDADES
Agetul diz que não ‘vê motivo’ para indenizar vítimas Mutirama

O presidente Agetul, Alexandre Magalhães, responsável pelo Parque Mutirama, disse que “não vê motivo” para indenizar as 13 pessoas que se feriram depois de um problema no brinquedo Twister.

 
 
ESPORTE
Neymar evita mal-estar com o Barcelona na apresentação no PSG

Suas primeiras palavras como jogador do Paris Saint Germain (PSG) giraram em torno de uma única ideia. “Quero desafios maiores”, repetiu Neymar em sua apresentação aos meios de comunicação em uma sala de imprensa lotada.

 
 
POLÍTICA
Partidos da base pressionam Temer por cargos de infiéis em votação

Partidos da base aliada de Michel Temer que votaram em massa a favor do presidente, derrubando a denúncia da Procuradoria-Geral da República.

 
 
MUNDO
George Pell se defende: abuso sexual é abominável

O Cardeal George Pell afirmou nesta quinta-feira que entraria de licença do Vaticano para retornar à Austrália e lutar contra as acusações de abuso sexual infantil.

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212