Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


26 de Set de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Astrônomos conseguem medir massa de estrela utilizando teoria de Einstein - Jornal Brasil em Folhas
Astrônomos conseguem medir massa de estrela utilizando teoria de Einstein


Uma equipe internacional de astrônomos mediu, com auxílio do telescópio espacial Hubble, a massa de uma estrela usando a Teoria da Relatividade de Albert Einstein, um desejo impossível do físico alemão.

Os investigadores do Instituto de Ciência do Telescópio Espacial (STScI, sigla em inglês) da Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa, sigla em inglês) em Baltimore, no estado de Maryland, mediram a massa de uma estrela anã branca, um remanescente estelar frio, analisando a quantidade de luz que ela desviou de uma estrela situada atrás dela, tal como descreveu Einstein há mais de 100 anos.

Esta técnica abre uma nova janela sobre um novo método para determinar a massa de uma estrela, um dado muito importante para saber, por exemplo, os anos de vida que lhe restam, explicou em uma coletiva de imprensa o pesquisador do STScI, o indiano Kailash Sahu.

O estudo foi apresentado nesta quarta-feira em Austin, no Texas, cidade que recebe nestes dias a 230ª edição do encontro da Sociedade Astronômica Americana (AAS, siglas em inglês), na qual os centros de pesquisa e universidades dos EUA informarão suas últimas descobertas até esta quinta-feira.

Concretamente, a equipe liderada por Sahu observou o sistema estelar Stein 2051B, que tem algumas anãs brancas e está cerca de 17 anos luz da Terra, quando passou diante de uma estrela.

Durante o alinhamento, a gravidade das anãs brancas desviou a luz da estrela distante, fazendo-a aparecer deslocada aproximadamente 2 milésimos de segundo desde a sua posição inicial, uma variação tão pequena que equivale a observar uma formiga caminhar a mais de 2.400 quilômetros de distância.

Este método de microlente é uma maneira muito independente e direta de determinar a massa de uma estrela, disse Sahu, que indicou que este experimento é como colocar a estrela em uma balança: a deformação é análoga ao movimento do medidor.

Através da medição dessa deformação, os astrônomos calcularam que a massa da estrela anã é de aproximadamente 68% da massa do Sol, um resultado que coincide com as previsões teóricas.

Esses dados proporcionam uma estimativa sólida da massa da estrela anã branca e as percepções de rendimento nas teorias de sua estrutura e composição, comentou o astrônomo indiano.

Proposta em 1915, a Teoria da Relatividade Geral de Einstein descreve como os objetos deformam o espaço, que sentimos como gravidade.

A teoria foi verificada experimentalmente quatro anos mais tarde, quando uma equipe liderada pelo astrônomo britânico Sir Arthur Eddington mediu o quanto a gravidade do Sol desviou a imagem de uma estrela situada no plano de fundo enquanto sua luz se aproximava do Sol durante um eclipse solar, um efeito chamado de microlente gravitacional.

Os astrônomos utilizam este efeito para ver imagens magnificadas de galáxias distantes e, a uma distância mais próxima, para medir pequenas mudanças na posição aparente de uma estrela no céu.

No entanto, os cientistas tiveram que esperar um século para construir telescópios suficientemente potentes para detectar este fenômeno de deformação gravitacional causado por uma estrela fora do nosso sistema solar.

De fato, a quantidade de deflexão é tão pequena que só a nitidez do Hubble poderia medi-la.

A deflexão observada é minúscula, perto de mil vezes menor que a que Eddington previu, detalhou Sahu.

A equipe do STScI identificou a Stein 2051B e sua estrela de fundo após analisar dados de mais de 5 mil estrelas em catálogos de estrelas próximas que parecem se mover rapidamente pelo céu.

Após identificar a Stein 2051B e mapear o campo de estrelas de fundo, os investigadores utilizaram o Hubble para observar a anã branca em sete ocasiões diferentes durante um período de dois anos durante sua passagem pela estrela de fundo escolhida.

Este estudo abre um novo capítulo para determinar as massas estelares e também funciona para as estrelas isoladas, concluiu o astrônomo.

 

Últimas Notícias

Instituto Gustav Ritter homenageia o maestro Tom Jobim
Balestreri destaca credibilidade em aula inaugural para novos bombeiros
Goiás é destaque em exposição internacional na Romênia
Fim de semana com pancadas de chuvas isoladas em Goiás
Ipea analisa o desempenho dos indicadores de atividade econômica
Crer expõe artesanatos feitos pelos pacientes
Mobilização da Lei Seca integra ações da Semana Nacional de Trânsito
Crer completa 15 anos inovando em práticas e qualidade nos atendimentos

MAIS NOTICIAS

 

Países avançam sobre Acordo de Paris; EUA mantém posição
 
 
Ryanair vai cancelar 2 mil voos para melhorar pontualidade
 
 
Facebook abre laboratório de inteligência artificial no Canadá
 
 
Londres em alerta máximo enquanto procura autor de atentado no metrô
 
 
S&P eleva nota da dívida de Portugal
 
 
Mais da metade dos pilotos da Avianca entrará em greve na Colômbia

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212