Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Nov de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Transmissão mais lenta de oxigênio na placenta faz um gêmeo mais inteligente - Jornal Brasil em Folhas
Transmissão mais lenta de oxigênio na placenta faz um gêmeo mais inteligente


Washington, 16 jun (EFE).- A transmissão mais lenta de oxigênio da placenta da mãe para um dos gêmeos explica porque um deles é mais inteligente do que o outro, segundo um estudo publicado nesta sexta-feira na revista especializada Scientific Reports.

A pesquisa, realizada no Hospital da Infância de Boston, se baseou no controle de fatores genéticos e de risco maternal em sete mulheres com entre 29 e 34 semanas de gravidez, e demonstrou que, ainda que os gêmeos compartilhem a placenta, esta se divide em dois compartimentos e um se torna mais saudável do que o outro.

A diretora do Centro de Ciências Neurológicas, Neurológicas Fetais e Neonatais do hospital, Ellen Grant, e o principal pesquisador do Laboratório de Pesquisa em Eletrônica no Massachusetts Institute of Technology (MIT), Elfar Adalsteinsson, desenvolveram o método não invasivo que monitora o fornecimento de oxigênio através da placenta em tempo real, através de uma imagem por ressonância magnética.

Esta técnica, denominada nível dependente de oxigênio em sangue (BOLD, na sigla em inglês) e baseada em um sinal que reflete as variações locais e transitórias da quantidade de oxigênio transportado pela hemoglobina em função da atividade neuronal do cérebro, mostrou que as placentas disfuncionais têm grandes regiões nas quais a transmissão de oxigênio para o feto é mais lenta.

Os pesquisadores descobriram que esta transferência de oxigênio mais pausada da mãe para o bebê através da placenta prediz um crescimento do feto mais retardado e um desenvolvimento menor do cérebro e do fígado.

Até agora, não tínhamos maneira de ver a função placentária regional ao vivo. O ultrassom Doppler, o método clínico atual de avaliar a função placentária, mede o fluxo sanguíneo nas artérias umbilicais e outros vasos fetais, mas não indica quanto oxigênio ou nutrientes estão sendo transportados da mãe para o feto, assegurou Grant.

A partir destes resultados, o próximo objetivo destes científicos será averiguar as causas da variação no transporte de oxigênio na placenta, além de identificar possíveis riscos que seriam motivo de preocupação em uma gravidez.

 

Últimas Notícias

Prefeitas goianas prestam homenagem ao governador em agradecimento pela parceria administrativa
Instituto de Identificação vai entregar carteira de identidade em 30 dias na capital
Nota Goiana inscreve até domingo para sorteio deste mês
IMB/Segplan e IBGE divulgam PIB de Goiás
Goiás sem Fronteiras promove última reunião com pais e alunos antes da viagem de jovens para os EUA
Crer e HDS inscrevem para programa de aperfeiçoamento
Procon Goiás e Sefaz fazem operação conjunta em postos de combustível
Supremo voltará a julgar restrição ao foro privilegiado no dia 23 de novembro

MAIS NOTICIAS

 

Estado entrega mais de 100 moradias em Mara Rosa e Cheque Mais Moradia para Amaralina e Bonópolis
 
 
Câmara aprova mais 81 municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo na Sudene
 
 
Disputa entre taxistas e motoristas de aplicativos agora vai para a Câmara
 
 
Temer volta a Brasília e deve retomar agenda de trabalho no Planalto
 
 
Ministro da Justiça confirma críticas à segurança do estado do Rio
 
 
Banco Safra pagará US$ 10 milhões por movimentar dinheiro desviado por Maluf

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212