Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Set de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Transmissão mais lenta de oxigênio na placenta faz um gêmeo mais inteligente - Jornal Brasil em Folhas
Transmissão mais lenta de oxigênio na placenta faz um gêmeo mais inteligente


Washington, 16 jun (EFE).- A transmissão mais lenta de oxigênio da placenta da mãe para um dos gêmeos explica porque um deles é mais inteligente do que o outro, segundo um estudo publicado nesta sexta-feira na revista especializada Scientific Reports.

A pesquisa, realizada no Hospital da Infância de Boston, se baseou no controle de fatores genéticos e de risco maternal em sete mulheres com entre 29 e 34 semanas de gravidez, e demonstrou que, ainda que os gêmeos compartilhem a placenta, esta se divide em dois compartimentos e um se torna mais saudável do que o outro.

A diretora do Centro de Ciências Neurológicas, Neurológicas Fetais e Neonatais do hospital, Ellen Grant, e o principal pesquisador do Laboratório de Pesquisa em Eletrônica no Massachusetts Institute of Technology (MIT), Elfar Adalsteinsson, desenvolveram o método não invasivo que monitora o fornecimento de oxigênio através da placenta em tempo real, através de uma imagem por ressonância magnética.

Esta técnica, denominada nível dependente de oxigênio em sangue (BOLD, na sigla em inglês) e baseada em um sinal que reflete as variações locais e transitórias da quantidade de oxigênio transportado pela hemoglobina em função da atividade neuronal do cérebro, mostrou que as placentas disfuncionais têm grandes regiões nas quais a transmissão de oxigênio para o feto é mais lenta.

Os pesquisadores descobriram que esta transferência de oxigênio mais pausada da mãe para o bebê através da placenta prediz um crescimento do feto mais retardado e um desenvolvimento menor do cérebro e do fígado.

Até agora, não tínhamos maneira de ver a função placentária regional ao vivo. O ultrassom Doppler, o método clínico atual de avaliar a função placentária, mede o fluxo sanguíneo nas artérias umbilicais e outros vasos fetais, mas não indica quanto oxigênio ou nutrientes estão sendo transportados da mãe para o feto, assegurou Grant.

A partir destes resultados, o próximo objetivo destes científicos será averiguar as causas da variação no transporte de oxigênio na placenta, além de identificar possíveis riscos que seriam motivo de preocupação em uma gravidez.

 

Últimas Notícias

Vereador Fábio Ideal promove sessão em homenagem aos agentes de trânsito
Embaixadora de El Salvador quer parceria comercial com Goiás
Oficinas musicais do Canto da Primavera inscrevem até segunda-feira
Detran e SMTs intensificam ações educativas
Matéria da TBC é legendada para o inglês a pedido de ONG internacional
Governo de Goiás e Prefeitura de Anápolis definem parceria para novo Daia
“Goiás se notabiliza na área de transparência e de tornar público suas políticas e gestões”, diz José Eliton
Agehab convoca 72 famílias para vistoria no Residencial Nelson Mandela

MAIS NOTICIAS

 

Países avançam sobre Acordo de Paris; EUA mantém posição
 
 
Ryanair vai cancelar 2 mil voos para melhorar pontualidade
 
 
Facebook abre laboratório de inteligência artificial no Canadá
 
 
Londres em alerta máximo enquanto procura autor de atentado no metrô
 
 
S&P eleva nota da dívida de Portugal
 
 
Mais da metade dos pilotos da Avianca entrará em greve na Colômbia

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212