Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Dez de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Raptadas e obrigadas a se casar, o drama de muitas mulheres no Quirguistão - Jornal Brasil em Folhas
Raptadas e obrigadas a se casar, o drama de muitas mulheres no Quirguistão


Já se passaram três anos, mas Guljan Turdubayeva ainda não consegue conter as lágrimas ao se lembrar do dia em que um desconhecido a sequestrou para obrigá-la a se casar com ele.

No Quirguistão, a história dessa jornalista não surpreende ninguém. Os raptos de noivas, uma prática conhecida pelo nome de Ala Kachuu (literalmente pega e corre), são recorrente no país, assim como em outros Estados da Ásia central e do Cáucaso.

Ele era baixo, conta Guljan Turdubayeva, secando as lágrimas. Fora isso, não lembro dele direito. Nunca o havia visto.

Turdubayeva conseguiu fugir da casa do seu sequestrador, e não voltou a vê-lo desde então.

Mas nem todas têm a mesma sorte. Segundo a ONU, mais de 12.000 mulheres e jovens são sequestradas a cada ano no Quirguistão, frequentemente com a cumplicidade da sua família, que espera assim poder casá-las.

O rapto permite à família da futura esposa receber um dote, em um país onde a tradição de casamentos arranjados não é tão arraigada quanto nos vizinhos Uzbequistão e Tadjiquistão.

Para pôr esses sequestros em evidência, Guljan Turdubayeva e outras quatro vítimas aceitaram que suas histórias fossem transformadas em um desenho animado, realizado por artistas quirguizes.

As pessoas pensam que o drama do casamento por sequestro se reduz a uma menina jogada em um carro por vários homens, mas não costuma ser assim, explica Tatiana Zelenskaya, uma das desenhistas do projeto Um dia eles me roubaram.

O verdadeiro drama começa mais tarde, quando os futuros parentes convencem a menina a ficar, assegura. Como conseguiram impor a ela sua vontade e porque ela aceita este casamento? Isso é o que eu queria entender.

- Estupro -

Em um dos desenhos animados, Guljan Turdubayeva se chama Narguiza. Esta personagem explica como sua tia ajudou a preparar seu sequestro.

Minha mãe ainda fala com ela, mas eu nunca a perdoarei, diz Narguiza.

Através da personagem Begaim, outra vítima relata como o homem com quem tinha que se casar a estuprou.

Das cinco mulheres que participam deste projeto, só Guljan Turdubayeva aceitou revelar sua identidade, o que demonstra o tabu que persiste em torno da prática do Ala Kachuu.

Muitos a parabenizaram pela sua coragem, mas ela também recebeu e-mails com insultos e ameaças, assim como mensagens nas redes sociais, onde os desenhos foram divulgados. A maioria dessas mensagens de ódio foi escrita por homens.

Alguns me disseram: você é idiota, tinha que ter ficado com ele, os dois são quirguizes, e isso é o que importa, conta à AFP.

- Pico nos anos 1990 -

Sequestrar mulheres para obrigá-las a se casar é uma prática que existe há algum tempo. Já existia antes do Quirguistão se tornar uma República Soviética nos anos 1920, e resistiu às tentativas das autoridades soviéticas de erradicá-la.

Com 80 anos, a irmã do poeta e escritor mais conhecido do país, Chinguiz Aitmatov, se lembra como, em 1959, seu namorado da época a raptou e obrigou a se casar. Foi esposa dele durante quase 50 anos.

Mas os raptos tiveram um novo pico nos anos 1990, após a queda da URSS, quando o país recuperou sua independência.

Me lembro que na escola uma colega foi sequestrada logo depois do baile de final de ano, explica à AFP Zulfiya Koshorbayeva, que trabalha em uma ONG em Bishkek. Quase metade das alunas da minha turma se casaram dessa forma.

As autoridades do Quirguistão asseguram que estes casamentos diminuíram graças a uma lei de 2012 que pune os sequestradores com até 10 anos de prisão.

Mas segundo um relatório da ONU de 2016, um terço dos quirguizes ainda desconhecem que o Ala Kachuu é um crime.

É necessário, além disso, que os raptos sejam denunciados, adverte Koshorbayeva. Para as meninas é difícil denunciar, temem que as suas famílias não as apoiem, aponta.

 

Últimas Notícias

Estádio Olímpico recebe Paradesportivos
Vinil Black Album de Prince reaparece com valores astronômicos
Vaticano lançará portal que reunirá todos os seus veículos
Três anúncios para um crime lidera indicações ao SAG
Vida parou na região birmanesa dos rohinyas, alerta Cruz Vermelha
Vice do Equador condenado a seis anos de prisão no caso Odebrecht
Trump não serve para limpar sanitários da biblioteca de Obama, diz jornal
Trump diante do tapa eleitoral do Alabama

MAIS NOTICIAS

 

Reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, diz Meirelles
 
 
Petrobras quer que Gleisi Hoffmann devolva R$ 1 milhão aos cofres da empresa
 
 
Marun quer finalizar CPMI da JBS antes da posse na Secretaria de Governo
 
 
Maia diz que não colocará Previdência em pauta sem ter votos para aprovação
 
 
Kassab afirma que extinção da faixa AM de rádio será um processo natural
 
 
Justiça Eleitoral torna inelegível por 8 anos o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212