Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Ago de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Itália explora montanha de mármore cobiçada por Michelangelo cinco séculos atrás - Jornal Brasil em Folhas
Itália explora montanha de mármore cobiçada por Michelangelo cinco séculos atrás


QUERCETA DI SERAVEZZA, Itália (Reuters) - Em 1517, Michelangelo escalou o Monte Altissimo, na Toscana, e encontrou o mármore de seus sonhos.

Era, escreveu o mestre renascentista, de grão compacto, homogêneo, cristalino, lembrando açúcar. Ele o considerou talvez até mais precioso do que aquele da vizinha Carrara, onde havia obtido mármore para algumas de suas estátuas mais famosas.

Com a bênção do papa Leão 10, Michelangelo projetou um caminho para levar os blocos de mármore branco montanha abaixo, transportado a Florença e usado para decorar a fachada da igreja de San Lorenzo.

Em troca da exploração da pedreira, as autoridades florentinas concederam a Michelangelo o direito de extrair tanto mármore quanto quisesse de Altissimo para usá-lo pelo resto da vida.

Há o suficiente aqui para extrair até o Dia do Juízo Final, escreveu ele a um contemporâneo.

Mas isso nunca aconteceu.

Depois de vários anos de trabalho para abrir uma estrada, o papa Leão 10, que era da família Medici de Florença, retirou a autorização de Michelangelo, e o projeto foi abandonado. A igreja de San Lorenzo ainda não tem uma fachada.

Hoje, as pedreiras de Altissimo, que tem 1.589 metros de altitude e se localiza nos Alpes Apuanos, estão repletas do tipo de atividade que mesmo um gênio como Michelangelo provavelmente não teria previsto.

VEJA UM ENSAIO FOTOGRÁFICO EM HTTP://REUT.RS/2UTXSZS

As técnicas modernas de corte e extração produziram uma paisagem surreal semelhante a certas pinturas cubistas, um conjunto estonteante de escadas de ponta-cabeça e estruturas de cubo de açúcar mirando o céu.

A tecnologia primitiva consistia de trabalho humano e animais de carga, disse Franco Pierotti, diretor de extração.

Os instrumentos primordiais, como alavancas, cinzéis e martelos, evoluíram mais tarde com a adoção de cabos em espiral no século 19, e agora temos cabos com ponta de diamante e serras e equipamento pesado de remoção de terra.

Atualmente a empresa Henraux é dona da montanha inteira, emprega cerca de 140 pessoas e extrai mármore de cinco pedreiras ativas.

Ao longo dos anos, artistas como Auguste Rodin, Henry Moore, Joan Miró e Isamu Noguchi usaram mármore de Altissimo em suas esculturas.

Michelangelo ficaria orgulhoso.

 

Últimas Notícias

Moradores do Rosa dos Ventos comemoram chegada da nova Unidade Básica de Saúde
Samsung anuncia lucro recorde e caminha para superar Apple
Vendas da Amazon crescem, mas investimentos fazem lucro recuar
Nave tripulada Soyuz MS-05 decola rumo à Estação Espacial Internacional
Missão científica chega à Estação Espacial Internacional
Tesla apresenta seu primeiro carro popular
Geólogos encontram novas pistas sobre maior extinção mundial
NASA fará teste de defesa da Terra com asteroide real em 12 de outubro

MAIS NOTICIAS

 


CIDADES
Agetul diz que não ‘vê motivo’ para indenizar vítimas Mutirama

O presidente Agetul, Alexandre Magalhães, responsável pelo Parque Mutirama, disse que “não vê motivo” para indenizar as 13 pessoas que se feriram depois de um problema no brinquedo Twister.

 
 
ESPORTE
Neymar evita mal-estar com o Barcelona na apresentação no PSG

Suas primeiras palavras como jogador do Paris Saint Germain (PSG) giraram em torno de uma única ideia. “Quero desafios maiores”, repetiu Neymar em sua apresentação aos meios de comunicação em uma sala de imprensa lotada.

 
 
POLÍTICA
Partidos da base pressionam Temer por cargos de infiéis em votação

Partidos da base aliada de Michel Temer que votaram em massa a favor do presidente, derrubando a denúncia da Procuradoria-Geral da República.

 
 
MUNDO
George Pell se defende: abuso sexual é abominável

O Cardeal George Pell afirmou nesta quinta-feira que entraria de licença do Vaticano para retornar à Austrália e lutar contra as acusações de abuso sexual infantil.

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212