Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Nov de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Previdência já consome sete vezes mais que a Saúde. Em 2025, pode chegar a dez vezes - Jornal Brasil em Folhas
Previdência já consome sete vezes mais que a Saúde. Em 2025, pode chegar a dez vezes


Em trajetória crescente, as despesas previdenciárias abocanham, hoje, 56,8% do Orçamento da União e vão atingir R$ 735,5 bilhões este ano. Para se ter uma ideia do espaço que é tomado por esses desembolsos, o número é sete vezes maior do que o governo gasta com saúde (excluindo folha de pagamento), R$ 103,8 bilhões. Ele também é 23 vezes maior do que as despesas com benefícios assistenciais, incluindo o programa Bolsa Família, de R$ 30,8 bilhões. Os números foram apresentados ontem pelo ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, em encontro com investidores chineses no qual ele fez uma defesa da reforma da Previdência

— Basicamente, estamos gastando 57% do Orçamento federal com Previdência. Apenas os gastos com o regime geral (R$ 560 bilhões) subiram cerca de R$ 50 bilhões este ano e representam duas vezes o investimento público. Tem algo muito errado nas nossas contas, que é o fato de que estamos colocando o dinheiro para pagar aposentado e não para investir. Disso decorre grande parte dos problemas de infraestrutura que nós temos — disse o ministro.

O economista Leonardo Rolim, consultor do Orçamento da Câmara dos Deputados na área de Previdência, estima que aposentadorias e pensões devem consumir dez vezes mais que a Saúde em 2025, se nenhuma reforma for feita:

— Os gastos com saúde não vão cair. Pela lei do teto de gastos, vai se manter nesse piso e ser reajustado pela inflação. Mas essas despesas precisavam aumentar, porque a população está envelhecendo e demandando mais assistência.

BENEFÍCIOS DESIGUAIS

Rolim estima que as despesas com Previdência devem crescer perto de 3% ao ano, descontada a inflação. Considerando o projeto original de reforma do governo, a despesa subiria pouco. Com as mudanças já feitas no substitutivo na Câmara, as despesas devem crescer cerca de 1% ao ano:

— Atualmente, destinamos para a saúde metade do que a Europa gasta e quase a mesma coisa no caso da Previdência.

Oliveira lembrou que, no caso da Previdência, o governo quer resolver algumas assimetrias. Como exemplo citou que o déficit na previdência dos trabalhadores do setor privado é de R$ 185 bilhões e contempla 70 milhões de beneficiários. Já a dos servidores públicos tem déficit de R$ 30 bilhões, mas para um milhão de servidores aposentados.

O ministro também fez um paralelo entre quanto a equipe econômica tem nas mãos para fazer investimentos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) — R$ 26,7 bilhões ou 2,1% das despesas primárias da União — e quanto tem de pagar em benefícios.

Enquanto os investimentos do PAC despencaram de 2016 para 2017 de R$ 42 bilhões para R$ 26,7 bilhões, as despesas previdenciárias totais subiram R$ 67,8 bilhões. O segundo maior gasto do Orçamento é com folha de pagamento, que chegará a R$ 162,4 bilhões e também teve aumento de 2016 para este ano: R$ 15,3 bilhões.

Segundo Oliveira, o governo precisa fazer um ajuste fiscal de 5% do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos dez anos. Isso significa sair de um déficit primário de 2,5% do PIB para um superávit de 2,5%:

— Este é o tamanho do trabalho que o Brasil precisa fazer nos próximos dez anos.

O economista Raul Velloso, especialista em contas públicas, calculou o peso da Previdência na economia em 50 anos:

— Atualmente, os benefícios consomem perto de 11% do PIB e devem chegar a 22% em 50 anos. Essa diferença de gastos em relação à Saúde só vai aumentar.

Rolim calcula que a Previdência deve representar 82% da despesa primária em 2025. Atualmente, equivale a 56,8%:

— Estão contra a reforma para defender privilegiados como eu, funcionário público. Não faz sentido.

Maia defende manutenção do texto

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, também defendeu a reforma da Previdência, que está na lista de prioridades do governo para a agenda do Congresso após a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer. Meirelles disse esperar que o conjunto de reformas seja votado este ano. Perguntado se vai aceitar mudar ainda mais o projeto da Previdência, que já foi aprovado em comissão especial da Câmara, Meirelles afirmou defender a manutenção do texto. No entanto, admitiu que o governo pode ter de fazer concessões e lutar para aprovar o que for possível:

— Defendemos a manutenção do projeto como está hoje no relatório aprovado na comissão especial, mas, como já mencionou o presidente (Temer), vamos estar discutindo democraticamente e fazendo aquilo que é possível. Mas sempre alertando a todos para uma realidade que é factual, objetiva. Quanto mais perto do projeto como está hoje for aprovada a reforma da Previdência, mais tempo vamos passar no Brasil sem discutir a Previdência.

Em entrevista à CBN, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, também defendeu a votação do texto aprovado na comissão:

— O Brasil chegou a uma situação, com a questão fiscal e o déficit previdenciário, que, se tivermos um pouco de bom senso e maturidade, vamos votar no mínimo o texto que foi aprovado na comissão, porque não adianta fazer uma reforma da Previdência menor do que isso. Não vai resolver o problema dos brasileiros, pois o déficit continuará aumentando.

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, disse que o governo quer ainda avançar na reforma tributária, mas que antes é necessário tratar da Previdência. Segundo ele, sem isso, o governo ficaria sob a pressão constante para o aumento do gasto público, impulsionado pelas despesas previdenciárias.

 

Últimas Notícias

Moradias construídas pelo Governo de Goiás resgatam dignidade e fortalecem identidade coletiva da população quilombola
Banda de rock e Anjos Urbanos juntos na prevenção às drogas nas escolas
Governo Junto de Você: casamento comunitário vai unir 174 casais em Trindade
Marconi presta homenagem a Aristides Junqueira, “grande guardião da Constituição de 1988”
Sine Estadual disponibiliza mais de 50 vagas exclusivas para pessoas com deficiência
HGG adere à Rede Universitária de Telemedicina
Governador reconhece importância do cooperativismo para evolução econômica de Goiás nos últimos 20 anos
Saneago integrará Sistema Mauro Borges ao Meia Ponte para garantir abastecimento de Goiânia e Região Metropolitana

MAIS NOTICIAS

 

Estado entrega mais de 100 moradias em Mara Rosa e Cheque Mais Moradia para Amaralina e Bonópolis
 
 
Câmara aprova mais 81 municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo na Sudene
 
 
Disputa entre taxistas e motoristas de aplicativos agora vai para a Câmara
 
 
Temer volta a Brasília e deve retomar agenda de trabalho no Planalto
 
 
Ministro da Justiça confirma críticas à segurança do estado do Rio
 
 
Banco Safra pagará US$ 10 milhões por movimentar dinheiro desviado por Maluf

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212