Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Ago de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Japão recorda o bombardeio atômico de Hiroshima - Jornal Brasil em Folhas
Japão recorda o bombardeio atômico de Hiroshima


Os japoneses relembraram neste domingo (6) o primeiro bombardeio atômico da história, lançado há 72 anos contra Hiroshima, cidade do sul do arquipélago.

Em 6 de agosto de 1945, às 08h15 locais, um bombardeiro B-29 americano batizado Enola Gay lançava em cima dessa cidade a bomba atômica Little Boy.

Três dias depois, outra bom atômica, Fat Man, devastou Nagasaki, o que levou à rendição japonesa, em 15 de agosto, e ao final da Segunda Guerra Mundial.

Com uma potência equivalente a cerca de 16 quilotoneladas de TNT, a bomba de Hiroshima causou uma deflagração que subiu a temperatura no solo a 4.000 graus. Little Boy provocou, naquele mesmo dia e nas semanas seguintes, 140.000 mortos.

Em Nagasaki, o ataque causou 74.000 vítimas mortais.

Coincidindo com este aniversário, o Japão volta a se deparar com a polêmica questão das armas nucleares.

Há um mês, o Japão se uniu a outras potências nucleares, entre elas Estados Unidos, França e Reino Unido, críticas ao tratado adotado recentemente pela ONU para proibir as armas nucleares.

Neste domingo, durante a cerimônia oficial anual no Memorial da Paz de Hiroshima, o primeiro-ministro Shinzo Abe afirmou que o Japão espera militar por um mundo sem armas nucleares de maneira que todos os países estejam de acordo.

Para alcançar realmente um mundo sem armas nucleares, precisamos da participação tanto dos Estados nucleares como dos Estados não-nucleares, afirmou.

Nosso país quer mostrar o caminho para a comunidade internacional para avançar na direção da desnuclearização, acrescentou, sem mencionar o tratado da ONU.

O Japão criticou este tratado ao considerar que aumentava a distância entre os países que dispõem de armamento nuclear e aqueles que não o possuem.

Nenhum dos nove países que contam com um arsenal nuclear - Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, China, França, Índia, Paquistão, Coreia do Norte e Israel - participou nas negociações do acordo.

Hiroshima e Nagasaki são um símbolo que o mundo deve recordar sempre, consideram os japoneses.

As duas bombas atômicas lançadas pelos americanos precipitaram a capitulação do Japão no dia 15 de agosto de 1945 e, de fato, o fim da Segunda Guerra Mundial.

Muitos japoneses consideram a destruição dessas duas cidades como crimes de guerra, uma vez que os alvos foram civis e sua capacidade de devastação sem precedentes.

Enquanto isso, muitos americanos acreditam que estes bombardeios, que precipitaram o fim da guerra entre os Estados Unidos e o Japão, impediu a perda de mais vidas.

 

Últimas Notícias

Para Barroso, cidadão deve saber quanto juiz recebe: ganho R$ 23 mil
HBO oferece U$250 mil como pagamento de recompensa a hackers, diz Variety
HBO teria oferecido recompensa para hackers
Brasil ganha concurso latino-americano de integração de espaços interativos
Imagens de satélite sugerem que Pyongyang prepara teste de míssil submarino
Gert se transforma em furacão no Atlântico, a 720 km das ilhas Bermudas
EUA: empresa contesta ordem judicial de obtenção de dados de internautas
Trump volta a atacar Amazon por empregos perdidos

MAIS NOTICIAS

 


CIDADES
Agetul diz que não ‘vê motivo’ para indenizar vítimas Mutirama

O presidente Agetul, Alexandre Magalhães, responsável pelo Parque Mutirama, disse que “não vê motivo” para indenizar as 13 pessoas que se feriram depois de um problema no brinquedo Twister.

 
 
ESPORTE
Neymar evita mal-estar com o Barcelona na apresentação no PSG

Suas primeiras palavras como jogador do Paris Saint Germain (PSG) giraram em torno de uma única ideia. “Quero desafios maiores”, repetiu Neymar em sua apresentação aos meios de comunicação em uma sala de imprensa lotada.

 
 
POLÍTICA
Partidos da base pressionam Temer por cargos de infiéis em votação

Partidos da base aliada de Michel Temer que votaram em massa a favor do presidente, derrubando a denúncia da Procuradoria-Geral da República.

 
 
MUNDO
George Pell se defende: abuso sexual é abominável

O Cardeal George Pell afirmou nesta quinta-feira que entraria de licença do Vaticano para retornar à Austrália e lutar contra as acusações de abuso sexual infantil.

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212