Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Ago de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Submissão da Apple na China: um símbolo do dilema no setor tecnológico - Jornal Brasil em Folhas
Submissão da Apple na China: um símbolo do dilema no setor tecnológico


A decisão da Apple de atender ao pedido das autoridades chinesas de eliminar os aplicativos que permitem escapar da censura oficial ilustra o dilema que as empresas de tecnologia americanas enfrentam para trabalhar no gigante asiático.

A fabricante do iPhone é a última grande empresa do Vale do Silício a abrir mão dos direitos humanos e da liberdade de expressão, frente à decisão do governo chinês de controlar e vigiar a internet.

Recentemente, a Apple retirou dos dispositivos vendidos na China, por pressão das autoridades do país, aplicativos que permitiam se conectar a redes privadas virtuais (serviços de VPN), levando a protestos de organizações e ativistas de direitos humanos.

Nós preferíamos não tirar os aplicativos, mas, como em outros países, nós observamos as leis locais e achamos que estarmos presentes nestes mercados, oferecendo vantagens aos clientes, é o maior interesse das pessoas lá e em outros lugares, afirmou Tim Cook, presidente da Apple, após o anúncio da decisão.

Esperamos que com o tempo se flexibilizem as restrições impostas, já que a inovação precisa de liberdade para colaborar e comunicar, e sei que isso é muito importante lá na China, opinou.

Existe a sensação de que a geração dos millenials espera realmente que as empresas sejam mais ativas para proteger os direitos das pessoas e a liberdade de expressão, explicou à AFP o analista Rob Enderle, do Enderle Group. Contudo, ainda não há ligação evidente entre a retórica e os hábitos de consumo, completou.

Há anos internautas chineses tentam driblar a grande muralha informática que censura a web - proibindo especialmente Facebook e Twitter - utilizando serviços de VPN. Desde janeiro, desenvolvedores precisam de licenças do governo para poder oferecer serviços deste tipo, o que levou à decisão da Apple.

A China tem milhões de usuários de smartphones e representa um mercado fundamental para a companhia americana.

Se outras empresas seguirem o exemplo da Apple, os chineses teriam o acesso a informação online rapidamente dificultado, disse a Anistia Internacional em seu blog.

As empresas têm a responsabilidade de respeitar as normas internacionais sobre direitos humanos, e esperávamos uma tomada de posição mais segura da parte da Apple, uma empresa que se vangloria por respeitar a vida privada, completou a Anistia.

- Sob pressão -

Realmente, não era a decisão que eles queriam tomar, e não acho que puderam fazer muita coisa, avaliou Enderle, destacando que a Apple estava num momento difícil na China.

Segundo seus resultados financeiros publicados na última semana, o volume de negócios da Apple na China foi de 8 bilhões de dólares entre abril e junho (-9,5% ante o mesmo período de 2016).

Se a Apple protestasse demais contra as leis chinesas, poderia ter sido expulsa, alertaram os analistas Eva Galperin e Amul Kalia, da Electronic Frontier Foundation (EFF). Mas se a China levar o sistema de censura longe demais, vai ter que enfrentar o descontentamento de suas próprias elites, destacaram.

A Apple não é o primeiro gigante tecnológico americano a se submeter às autoridades chinesas. Há dez anos, a Yahoo pediu desculpas depois de acatar os pedidos de Pequim para identificar militantes de direitos humanos que usavam seus serviços de mensagens digitais.

A Microsoft também está presente na China há décadas, e se adaptou sem protestos às normas vigentes. Mas há sete anos a Google retirou seu motor de buscas da China continental para protestar contra a censura e as ingerências na vida pessoal dos usuários. A Google resistiu e foi embora, mas agora não conta para nada na China, disse Enderle.

A decisão da Apple de eliminar os aplicativos VPN poderia beneficiar a Google e seu sistema operacional Android, mais aberto.

 

Últimas Notícias

Para Barroso, cidadão deve saber quanto juiz recebe: ganho R$ 23 mil
HBO oferece U$250 mil como pagamento de recompensa a hackers, diz Variety
HBO teria oferecido recompensa para hackers
Brasil ganha concurso latino-americano de integração de espaços interativos
Imagens de satélite sugerem que Pyongyang prepara teste de míssil submarino
Gert se transforma em furacão no Atlântico, a 720 km das ilhas Bermudas
EUA: empresa contesta ordem judicial de obtenção de dados de internautas
Trump volta a atacar Amazon por empregos perdidos

MAIS NOTICIAS

 


CIDADES
Agetul diz que não ‘vê motivo’ para indenizar vítimas Mutirama

O presidente Agetul, Alexandre Magalhães, responsável pelo Parque Mutirama, disse que “não vê motivo” para indenizar as 13 pessoas que se feriram depois de um problema no brinquedo Twister.

 
 
ESPORTE
Neymar evita mal-estar com o Barcelona na apresentação no PSG

Suas primeiras palavras como jogador do Paris Saint Germain (PSG) giraram em torno de uma única ideia. “Quero desafios maiores”, repetiu Neymar em sua apresentação aos meios de comunicação em uma sala de imprensa lotada.

 
 
POLÍTICA
Partidos da base pressionam Temer por cargos de infiéis em votação

Partidos da base aliada de Michel Temer que votaram em massa a favor do presidente, derrubando a denúncia da Procuradoria-Geral da República.

 
 
MUNDO
George Pell se defende: abuso sexual é abominável

O Cardeal George Pell afirmou nesta quinta-feira que entraria de licença do Vaticano para retornar à Austrália e lutar contra as acusações de abuso sexual infantil.

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212