Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Out de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Geólogos encontram novas pistas sobre maior extinção mundial - Jornal Brasil em Folhas
Geólogos encontram novas pistas sobre maior extinção mundial


Londres, 31 jul (EFE). - O calor desprendido de rochas incandescentes pode ser uma possível causa para a maior extinção mundial, há quase 252 milhões de anos, conforme um estudo divulgado nesta segunda-feira na revista Nature.

O trabalho foi liderado por James Muirhead, pesquisador associado do Departamento de Ciências da Universidade de Artes e Ciências da Universidade de Syracuse, junto com o geólogo Seth Burgess e o professor de Geologia do Instituto de Tecnologia de Massachusetts Samuel Bowring, todos nos Estados Unidos.

De acordo com as pesquisas, a formação de rochas incandescentes gerou uma série de eventos que desembocaram no encerramento do Permiano, pertencente à Era Paleozóica. Nesse processo, mais de 95% das espécies marinhas e 70% das terrestres foram extintas.

Foram cinco grandes extinções desde que a vida na Terra se originou, há mais de 600 milhões de anos. A maior parte desses eventos foi atribuída a erupções vulcânicas e impactos de asteroides. Ao voltar a examinar os tempos e as conexões entre o magmatismo - movimento de lava -, a mudança climática e a extinção, criamos um modelo que explica o que desencadeou a extinção em massa do final do período Permiano, afirmou Burgess.

No centro da pesquisa estão os chamados Trapps siberianos, que formam uma grande região de rocha vulcânica, conhecida como Grande Região Ígnea, na Sibéria. Esta região foi o centro de quase 1 milhão de anos de atividade vulcânica, segundo o estudo, que espalharam volumes significativos de lava, cinzas e gás, ao mesmo tempo em que empurraram sulfureto, dióxido de carbono e metano até atingir níveis perigosos para o meio ambiente.

Segundo Muirhead, a investigação sugere que os fluxos de lava da superfície aconteceram muito rápido para provocar uma extinção em massa e acrescenta que em vez disso, houve um subintervalo de magmatismo que desencadeou a cachoeira de eventos que ocasionaram a extinção em massa.

O calor desprendido das rochas incandescentes expulso de sedimentos ricos em gás, que entraram em contato com o metamorfismo, liberaram enormes quantidades de gases causadores do efeito estufa necessárias para provocar a extinção, disse Muirhead.

Segundo o investigador, seu modelo de estudo vincula o começo da extinção com o pulso inicial do local das rochas incandescentes e representa um momento crítico na evolução da vida na Terra . EFE

 

Últimas Notícias

Marconi inaugura novas instalações do Vapt Vupt de Rio Verde
7ª Etapa SuperBike promete disputas intensas em Goiânia
Governo da China está interessado em programas sociais criados por Goiás
Goiás vai sediar a maior competição universitária da América Latina
Baixa vazão do Rio Meia Ponte e Ribeirão Lages afeta abastecimento de água na Grande Goiânia
CNH Digital já contabiliza mais de 12 mil downloads
Modernismo e contemporaneidade marcam o outubro da Filarmônica de Goiás
Espaço Sonhus apresenta agenda de eventos para outubro

MAIS NOTICIAS

 

Modernismo e contemporaneidade marcam o outubro da Filarmônica de Goiás
 
 
Espaço Sonhus apresenta agenda de eventos para outubro
 
 
Prefeito de Morrinhos diz que “Goiás nunca cresceu tanto”
 
 
Ao jornal argentino Clarín, Marconi diz para explorarem potencialidade comercial da região Brasil Central
 
 
Nas comemorações dos 108 anos de Itumbiara, Marconi destaca a pujança econômica da cidade
 
 
No maior congresso de corretores de seguro do país, governador diz que Goiás cresce acima da média nacional

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212