África Ocidental deixa para trás pior epidemia de ebola da história

0 Shares
0
0
0
0

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou oficialmente nesta quinta-feira o fim da epidemia de ebola na África Ocidental, ao declarar a Libéria, o último país afetado, livre da doença, que matou mais de 11.000 pessoas em dois anos.

A epidemia foi declarada em dezembro de 2013 no sul da Guiné e depois se propagou rapidamente para a Libéria e Serra Leoa, os três países mais afetados, depois de atingir em menor escala a Nigéria e o Mali.

Em dois anos afetou 10 países, incluindo Espanha e Estados Unidos, e, oficialmente, provocou a morte de 11.315 dos 28.637 contagiados. Este balanço de vítimas é superior ao de todas as epidemias de ebola acumuladas desde a identificação do vírus no centro da África em 1976.

Após Serra Leoa em 7 de novembro e Guiné, em 29 de dezembro, a Libéria foi declarada nesta quinta-feira livre do vírus, ao passar 42 dias desde que os últimos casos de ebola deram negativo no país.

Hoje, a Organização Mundial da Saúde declara o fim da epidemia de Ebola na Libéria e afirma que todas as cadeias conhecidas de transmissão na África Ocidental cessaram, anunciou a OMS.

Mas o risco de contágio persiste em alguns fluidos corporais dos sobreviventes, como o esperma, onde o vírus pode permanecer por até nove meses. A Libéria já havia sido declarada livre do ebola em maio de 2015 e em setembro, antes de registrar novos casos isolados.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, avisou nesta quarta-feira de que se preveem novos focos da doença nos próximos anos, embora seu alcance e a frequência deve diminuir com o tempo.

Devemos seguir comprometidos, disse em Genebra Peter Graaff, responsável pelo combate ao ebola na OMS.

Esta doença não pode voltar a nos destruir como fez, garantiu o responsável da célula liberiana de crise anti-ebola, Francis Karteh. Nossos médicos e cuidadores não conheciam [a doença], por isso tivemos muitos mortos entre eles (192 dos 378 contaminados).

Estamos felizes, mas continuamos vigilantes e continuamos tomando as medidas preventivas necessárias, declarou o secretário-executivo do ministério da Saúde liberiano, Tolbert Nyensuah.

– Queimem todos –

Nos piores momentos da epidemia, os países mais afetados temeram o colapso.

Alguns dias recolhíamos mais de 40 ou 50 corpos, lembra na Libéria Naomi Tegbeh, sobrevivente que se encarregava dos cadáveres mais contagiosos.

O centro anti-ebola da ONG Médicos Sem Fronteiras em Monróvia teve que duplicar sua capacidade de acolhida, mas no ápice da epidemia se viu obrigado a recusar pacientes por falta de lugar.

A doença transformou o modo de vida dos países afetados, cujos habitantes foram obrigados a evitar qualquer contato físico entre eles e com os mortos. A proibição foi muito resistida por parte da população, apegada aos ritos funerários que implicam em lavar o corpo dos mortos.

Já não temos medo do ebola como da primeira vez, lembra um comerciante de Monróvia, Aminata Kanneh, de 32 anos.

O anúncio de hoje é uma alegria, mas não justifica nenhuma celebração porque ainda podemos sofrer outras crises, explicou.

Em outubro de 2014, o governo da Libéria teve que emitir a drástica ordem de incinerar todos os cadáveres, independentemente da causa da morte: Queimem todos.

Os serviços de saúde, sobrecarregados pela catástrofe, multiplicaram as medidas de exceção – como decretar a quarentena em regiões inteiras.

Em alguns lugares a população se rebelou violentamente contra medidas de prevenção mal explicadas e decisões percebidas como autoritárias.

As manifestações mais violentas foram registradas na Guiné, país onde existe uma grande desconfiança entre o poder e a população, e culminaram com a morte em setembro de 2014 de uma equipe de sensibilização em Womey, no sul, epicentro original da epidemia. – BRASIL EM FOLHAS COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS – I3D 838

0 Shares
You May Also Like