Eurogrupo diz que bancos da região estão em situação melhor

0 Shares
0
0
0
0

O setor bancário da zona do euro está em uma situação melhor do que há alguns anos, afirmou, nesta quinta-feira, o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, no momento em que os valores desabam nas bolsas.

Creio que na zona euro, estruturalmente, estamos em uma situação melhor do que há alguns anos, e isso também vale para nossos bancos, declarou.

As bolsas europeias despencavaam pela manhã nesta quinta-feira, com quedas que chegavam a superar os 3% e que eram abismais no setor bancário em particular, por preocupações devido aos preços de petróleo e a situação da economia mundial.

A deterioração parecia incontrolável no setor financeiro, que via seus índices estancados há várias semanas. Nesta quinta-feira, a área registrava fortes perdas que superavam para alguns, como no caso do grupo bancário francês Société Générale, mais de 10%.

É um terremoto bancário, afirmoua mídia alemã.

O Deutsche Bank, o primeiro banco alemão, voltou a cair, apesar do fôlego que tomou na quarta-feira, quando seus títulos chegaram a subir em 16% por rumores sobre uma operação de recompra da dívida.

Interrogado sobre este caso, Dijsselbloem desistiu de se pronunciar e afirmou que não tinha uma opinião sobre bancos individualmente.

Sabemos que os mercados sobem e descem. Acredito que há um pouco de exagero dos mercados, disse o ministro de Finanças alemão, Wolfgang Schauble, ao chegar à reunião de ministros em Bruxelas, sem comentar as inquietudes que cercam o Deutsche Bank.

O comissário europeu de Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici, estimou que a economia europeia é uma economia sólida, tanto a economia real como a situação dos bancos.

No conjunto, vemos que o sistema bancário europeu é muito mais sólido do que no passado, devemos ter confiança, acrescentou, atribuindo as turbulências nos mercados aos riscos externos, como o das perspectivas econômicas da China.

Existe um ambiente econômico mais complicado do que há seis meses, estimou o ministro de Finanças espanhol, Luis de Guindos. A volatilidade (nos mercados) começou no verão (do hemisfério norte), quando as bolsas chinesas caíram, declarou, apontando também para a desaceleração do crescimento econômico dos emergentes.

A capacidade de resposta da política monetária é reduzida, acrescentou. Com o intuito de impulsional o crescimento, o Banco Central Europeu baixou a zero seus tipos de interesse e lançou uma operação de compra massiva da dívida.

Os investidores, que no momento de turbulência nos mercados buscam valores seguros, concentram-se, há algumas semanas, na dívida alemã e francesa, cujas taxas baixam novamente, deixando de lado a dos países do sul da Europa, que registram um constante aumento.

Nesta quinta-feira, a tensão se concentrou na taxa da Grécia, que superou o limiar de 11%, e na de Portugal, que subiu para mais de 4%.

Os ministros de Finanças devem nesta quinta-feira dar um veredito sobre o orçamento do governo português, que a Comissão considerou não estar em contradição com o Pacto de Estabilidade e Crescimento, embora não esteja em conformidade com os objetivos que fixa, como um déficit de no máximo 3% do PIB e uma dívida inferior a 60%.
– BRASIL EM FOLHAS COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS – I3D 3058

0 Shares
You May Also Like