Kerry diz a Lavrov que precisa de trégua imediata na Síria

0 Shares
0
0
0
0

O secretário de Estado americano, John Kerry, exigiu, neste sábado, que um cessar-fogo seja acordado o quanto antes na Síria, durante uma conversa telefônica com o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov.

O secretário expressou sua esperança de que um completo cessar das hostilidades poderia ser alcançado no menor espaço de tempo possível, declarou o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby, em uma coletiva de imprensa.

Kerry, que chegou na capital jordaniana, Amã, na noite deste sábado, vindo de Londres, para uma reunião com o rei Abdullah II, expressou novamente sua preocupação a Lavrov sobre os ataques aéreos russos na Síria em apoio ao regime do presidente Bashar Al-Assad.

O secretário Kerry também reiterou sua profunda preocupação com a natureza indiscriminada dos contínuos bombardeios realizado pela aviação russa e que vidas estão sendo perdidas como resultado, declarou Kirby.

Os Estados Unidos continuam pedindo a todos os lados que respeitem as obrigações internacionais para evitar vítimas civis, e a responsabilidade é, em primeiro lugar, e principalmente, do regime de Assad e de seus aliados, completou.

Os dois ministros discutiram o progresso feito por duas reuniões da força-tarefa da ONU em Genebra esta semana, uma sobre ajuda humanitária para cidades sírias sitiadas e a outra sobre um cessar das hostilidades que havia sido definida para entrar em vigor na sexta-feira, informou Kirby.

Neste sábado, em Londres, Kerry declarou em um comunicado que muito do trabalho ainda está por fazer antes de ser alcançada uma trégua na Síria.

Kerry e Lavrov são os principais arquitetos do acordo de Munique de 11 e 12 de fevereiro, de acordo com o qual 17 países e três organizações concordaram sobre um cessar-fogo para sexta-feira.

Contudo, a Rússia prometeu neste sábado continuar a ajudar Damasco a lutar contra grupos terroristas na Síria, e um grupo-chave da oposição declarou que apoiaria uma trégua se aliados ao regime suspendesse fogo.

Mais de 260.000 pessoas foram mortas nos quase cinco anos de conflito e metade da população do país foi deslocada. – BRASIL EM FOLHAS COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS – I3D 3738

0 Shares
You May Also Like