Limite a imigrantes imposto pela Áustria frustra esforço da UE para conter crise

Redação Redação

A Áustria enfureceu os colegas de União Europeia na quinta-feira ao insistir em limitar o número de imigrantes que recebe, prejudicando a iniciativa alemã de buscar uma solução comum para a crise de refugiados do bloco em parceria com a Turquia.

Líderes da UE reafirmaram durante uma cúpula em Bruxelas que não há alternativa a uma abordagem europeia única para a imigração, que expôs profundas diferenças na união. Eles também resolveram realizar uma cúpula especial com a Turquia no início de março para fazer com que um plano conjunto para deter o influxo funcione melhor.

Em um sinal claro de exasperação com a medida austríaca, anunciada unilateralmente na véspera da cúpula, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse: Solos nacionais não são recomendáveis.

O que se esperava ser uma discussão relativamente calma sobre a implementação da estratégia ainda incerta do bloco para frear o número de refugiados chegando à Europa se tornou o que um diplomata descreveu como um bate-boca acalorado com o chanceler da Áustria, Werner Faymann.

Outras autoridades da UE disseram que a ação de Viena foi equivalente a mostrar o dedo para o resto da Europa e em benefício dos tabloides austríacos.

Faymann insistiu que não ouviu só críticas durante o jantar da cúpula: Houve muita compreensão, afirmou. Não podemos providenciar todo o asilo da Europa.

A Áustria, ponto final de centenas de milhares de imigrantes que vêm rumando à Europa com destino à Alemanha, anunciou na quarta-feira que irá reinstalar as barreiras em suas fronteiras do sul.

Apesar de o chefe de imigração da UE ter alertado que a limitação irá violar as leis humanitárias internacional e do bloco e da pressão no encontro para que a medida seja suspensa, Faymann prometeu levar o plano adiante e disse que seus próprios advogados têm opiniões diferentes. – BRASIL EM FOLHAS COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS – I3D 3598

A BRASIL EM FOLHAS utiliza cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para recomendar conteúdo e publicidade. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições. Aceitar Consulte mais informação

Política de Privacidade e Cookies