Negócio online pode ser uma boa saída para crise

Redação Redação

Não é necessário falar, mais uma vez, que o Brasil enfrenta uma crise econômica como há muito tempo não enfrentava. Não precisa ser um grande expert em economia. Vemos isto no dia a dia, quando vamos comprar algum alimento no supermercado e observamos que ele aumentou bastante de preço nos últimos meses. Vemos também quando caminhamos na rua e nos atentamos para os diversos estabelecimentos comerciais que fecharam as portas, com a placa Aluga-se ou Vende-se ao lado. E sentimos mais ainda na pele quando ficamos sabendo da quantidade de conhecidos ou amigos que estão perdendo seus empregos ultimamente.
Mesmo com todas essas dificuldades, quem nunca ouviu a frase “É na crise que se cresce”? É exatamente assim que pensa o empreendedor digital Bruno Picinini, idealizador dos sites Empreendedor Digital e Férias Sem Fim. Para aqueles que desejam abrir um negócio online, a tarefa não será necessariamente tão árdua.
O empreendedor destaca a principal vantagem para quem deseja começar um negócio digital, mas tem medo da crise: É possível fazer isso como pouco dinheiro. “Com crise ou sem crise, você tem que começar com o menor investimento possível, principalmente quando você não tem certeza se o mercado é bom ou não”, afirma.
Desta forma, se o futuro empreendedor está em dúvida sobre qual mercado seguir e produto comercializar, Picinini aconselha que ele seja, pelo menos em um primeiro momento, conservador na sua escolha. “Tentar reinventar a roda, criando algo completamente novo e diferente é muito arriscado. É muito mais fácil olhar o que está funcionando lá fora, nos Estados Unidos e Europa, por exemplo, e adaptar a ideia para o Brasil”, diz Picinini, salientando que não se trata de simplesmente copiar a ideia, mas utilizá-la como modelo de negócio. De acordo com o empreendedor digital, se o futuro empresário aprender porque aquela ideia funciona lá fora e tentar aplicá-la no Brasil, as chances de sucesso são muito maiores e com um aporte inicial bem menor.
Bruno Picinini também destaca que a internet facilitou muito a vida daquele que deseja se tornar um empreendedor. Segundo ele, atualmente, é possível ter negócios enxutos com nenhum funcionário ou com apenas um para ajudar no suporte. “Com custos muito baixos para criar o site, divulgar seu mercado e fazer pesquisa de mercado, você pode começar seu negócio”, explica. Ele ainda acrescenta que o custo que se tem com um empreendimento digital é bem baixo se comparado com qualquer outro custo de um negócio no “mundo real”, tais como aluguel, reforma, equipamentos, funcionários, etc.
Com essas precauções, se o negócio online por qualquer razão acabar não sendo promissor, o empreendedor não perderá quase nada além do próprio tempo investido. Por outro lado, se der certo, além do potencial de ganho muito grande – segundo Picinini, é possível ganhar de R$ 3 mil a R$ 20 mil em 90 dias com um negócio online – o empreendedor terá a chance de se dedicar somente a isso, podendo trabalhar quando e de onde quiser. “Realmente eu acredito que por isso que o negócio online é o melhor caminho para mais liberdade e qualidade de vida”, destaca. – Debora Luvizotto – I3D 14422

A BRASIL EM FOLHAS utiliza cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para recomendar conteúdo e publicidade. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições. Aceitar Consulte mais informação

Política de Privacidade e Cookies