Suspeito de massacre no Japão se ofereceu para matar 470 deficientes

Redação Redação

Um dia antes de tentar entregar uma carta para um importante parlamentar japonês se oferecendo para matar centenas de pessoas deficientes, o suspeito do pior assassinato em massa do Japão nas últimas décadas declarou publicamente: “Eu não sei se isso é certo, mas ação é o único caminho”.
Menos de seis meses depois, Satoshi Uematsu, 26, foi preso sob a suspeita de ter matado 19 pessoas a facadas e ferido outras dezenas enquanto dormiam em um centro para pessoas deficientes onde ele havia trabalhado por mais de três anos até fevereiro.
Uematsu havia chamado a atenção de autoridades em fevereiro, quando disse que poderia matar 470 pessoas deficientes.
“Estou totalmente ciente de que esta declaração desafia o senso comum”, disse ele em cartas destinadas ao presidente da Câmara dos Deputados, cujas cópias foram obtidas pela agência de notícias Kyodo.
“No entanto, não posso ficar parado ao pensar sobre o olhar exausto nos rostos de seus cuidadores, o olhar louco nos olhos dos funcionários que trabalham nessas clínicas, e, no melhor interesse do Japão e do mundo, me sinto compelido a tomar esta ação hoje.”
A polícia ainda não comentou sobre as motivações para o episódio desta segunda (25), o qual abalou um país que tem uma das menores taxas de criminalidade do mundo, e onde assassinatos em série são raros.
Informações sobre Uematsu ainda estão emergindo, mas entrevistas com vizinhos mostram um jovem educado, que se tornou obcecado com as pessoas sendo tratadas na clínica para deficientes mentais e físicos de Tsukui Yamayuri-En, na cidade de Sagamihara, a cerca de 40 quilômetros a sudeste de Tóquio.
Akihiro Hasegawa, que foi seu vizinho por oito anos, disse não ter notado nada estranho sobre Uematsu.
“Ele sempre sorriu ao me cumprimentar. Tinha bons modos e era educado. Um jovem realmente muito agradável”, disse Hasegawa, 73.
“Seria mais fácil compreender se houvesse um alerta, mas não houve sinais”, disse Hasegawa, acrescentando acreditar que as experiências de Uematsu no emprego haviam afetado sua mente.
“Nós não conhecíamos a escuridão de seu coração.”
Uma conta em uma rede social com o nome de Uematsu, que, segundo a imprensa local, era utilizada pelo suspeito, indicava que ele era um jovem que gostava de se divertir, apreciava karaokê e festas na praia e queria parar de fumar.
“Estou super feliz”, escreveu em 29 de junho, com fotos do que parecia ser a festa de casamento de um amigo.
Ele também parecia gostar de um jogo de cartas sobre teoria da conspiração, e publicou que havia visto mensagens subliminares nessas cartas, tais como uma previsão do desastre nuclear no Japão, em 2011. – BRASIL EM FOLHAS COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS – I3D 14415

A BRASIL EM FOLHAS utiliza cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para recomendar conteúdo e publicidade. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições. Aceitar Consulte mais informação

Política de Privacidade e Cookies