Crise: Marconi afirma que “remédios amargos” são necessários para o Brasil

Redação Redação

O governador Marconi Perillo (PSDB) afirmou nesta terça-feira (16/8) que o Brasil terá de utilizar “remédios amargos” para reverter o ciclo de crise econômica que acomete o Brasil há mais de 2 anos. Em entrevista a jornais eletrônicos, no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, ele disse que o ciclo vicioso, de recessão econômica e desemprego, somente serão superados com medidas que classificou como “muito duras”, que deverão ser tomadas pelo presidente em exercício Michel Temer (PMDB).

Com o desfecho do impeachment, afirmou, Michel Temer, caso seja efetivado, terá de comandar as reformas nas áreas econômica, previdenciária “porque a previdência pública no Brasil está quebrada”, medidas em relação à legislação trabalhista e a reforma política. “Ou o governo sinaliza e adota medidas firmes para manter o gasto público federal, o déficit público federal, ou o governo não terá condições de diminuir juros, de manter a inflação na meta, de garantir novos investimentos internos e externos”, argumentou.

impeachment – Perguntado sobre o placar no Senado que os bastidores da política em Brasília projetava para a votação que pode afastar em definitivo Dilma Rousseff (PT) da presidência da República, Marconi afirmou: “Todos comentam 60 votos (a favor do impeachment)”, contou. “Pela experiência que tenho, conhecendo o Senado, é provável que isso aconteça.”

Para efetivação do impedimento de Dilma, são necessários 54 votos favoráveis dos 81 senadores. A votação no Senado deverá ser realizada entre os dias 25 e 27 de agosto. – BRASIL EM FOLHAS COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS – I3D 16152

A BRASIL EM FOLHAS utiliza cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para recomendar conteúdo e publicidade. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições. Aceitar Consulte mais informação

Política de Privacidade e Cookies