EUA: violentas manifestações contra oleoduto da Dakota do Norte

Redação Redação

Protestos próximos ao local de construção do polêmico oleoduto da Dakota do Norte, Estados Unidos, derivaram em violência na madrugada desta segunda-feira, quando a polícia lançou bombas de gás lacrimogênio, balas de borracha e canhões de água gelada contra os manifestantes.

Segundo os organizadores das manifestações, há 167 feridos, entre eles três ameríndios idosos, e sete pessoas hospitalizadas por ferimentos graves na cabeça.

O departamento do xerife do condado de Morton disse que havia cerca de 400 manifestantes, e que eles provocaram um tumulto e começaram uma dúzia de incêndios.

Segundo o jornal Bismark Tribune, que cita o departamento do xerife, os manifestantes atiraram pedras e pedaços de madeira contra a polícia. Uma pessoa foi detida.

A tribo Sioux da reserva indígena de Standing Rock afirma que o oleoduto ameaça suas fontes de água potável e vários locais onde estão enterrados seus ancestrais.

Na semana passada, o governo americano ordenou a paralisação da construção do oleoduto, afirmando que mais análises e debates sobre o projeto são necessários.

O projeto do oleoduto, da companhia Energy Transfer Partner, gerou nos últimos meses um movimento crescente de protestos nos Estados Unidos por parte das tribos indígenas, dos ambientalistas e dos defensores dos direitos dos ameríndios.

O oleoduto subterrâneo de 1.900 km, batizado de Dakota Access Pipeline, deve atravessar quatro estados americanos, para transportar o petróleo extraído em Dakota do Norte, na fronteira com o Canadá, até Illinois, no sul dos Estados Unidos. – BRASIL EM FOLHAS COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS – I3D 21561

A BRASIL EM FOLHAS utiliza cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para recomendar conteúdo e publicidade. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições. Aceitar Consulte mais informação

Política de Privacidade e Cookies