O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), deputado Jorge Picciani, disse hoje (17) acreditar na inocência do ex-governador Sérgio Cabral, preso pela manhã na Operação Calicute, um desdobramento da Lava Jato. Picciani e Cabral são do mesmo partido, PMDB.

Decisão judicial não se discute, ele [Cabral] terá a defesa dele, e eu acredito que provará sua inocência, declarou Picciani na Alerj, rapidamente, antes da sessão em plenário.

O líder do PSOL, Marcelo Freixo, por sua vez, disse que as denúncias sobre irregularidades na gestão Cabral são feitas pela oposição desde 2010. A ação, por exemplo, envolvendo a ex-primeira-dama Adriana Ancelmo e o seu escritório de advocacia é uma denúncia que nós fizemos ao MP [Ministério Público] em 2010. A relação da [construtora] Delta com o Cabral, de isenções fiscais, nós também denunciamos, em 2012. O complexo do Maracanã, em 2013”, lembrou.

Segundo Freixo, são denúncias antigas que agora levaram à prisão do ex-governador. “Talvez a gente não estivesse numa crise tão grande [hoje] se isso tivesse sido investigado quando nós denunciamos. É formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva. Ele já deveria estar preso há muito tempo, afirmou. – BRASIL EM FOLHAS COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS – I3D 21262