Mongólia promete à China que não permitirá mais visitas de Dalai Lama ao país

Redação Redação

O governo da Mongólia se comprometeu perante a China a não permitir mais visitas de Dalai Lama, depois que uma recente viagem do líder espiritual tibetano no exílio ao país de Ásia Central estremeceu as relações diplomáticas e comerciais entre Pequim e Ulan Bator.

Segundo informa nesta quarta-feira o jornal governista chinês Global Times, o ministro das Relações Exteriores, Tsend Munkh-Orgil, expressou à imprensa de seu país seu pesar pelo impacto nas relações bilaterais chinês-mongóis que causou a recente visita de Dalai Lama, e afirmou que este não voltará a ser autorizado a viajar à Mongólia.

A viagem à Mongólia do líder tibetano, que deixou todo político em 2011, se emoldurou no fato de que boa parte da população desse país de Ásia Central pratica o budismo.

No entanto, o ministro das Relações Exteriores mongol ressaltou que também não serão permitidas futuras viagens desta personalidade em nome da religião.

Em Pequim, o Ministério das Relações Exteriores chinês reagiu hoje a esta decisão pedindo ao governo da Mongólia que aprenda a lição e respeite os interesses da China, honre seus compromissos e faça esforços para que melhorem as relações bilaterais, em palavras da porta-voz Hua Chunying.

A questão tibetana é um assunto de soberania e integridade territorial, por isso a posição de Pequim a respeito é clara e consistente, acrescentou Hua.

Nas últimas semanas, a China condenou a visita de Dalai Lama ao país vizinho e cancelou em represália vários encontros bilaterais entre os Executivos de ambos países.

As tensões também se transferiram ao campo comercial, já que a China estabeleceu novas taxas à exportação de produtos procedentes da Mongólia e dificultou o acesso de caminhões de carga mongóis a território chinês, algo que afeta muito um país que tem no gigante chinês seu parceiro comercial quase exclusivo.

A China considera o 14° Dalai Lama Tenzin Gyatso, prêmio Nobel da Paz em 1989, um separatista cujo objetivo soterrado é a independência da região autônoma do Tibete, e Pequim costuma protestar contra os países que com frequência convidam o líder espiritual a participar de atos públicos. – BRASIL EM FOLHAS COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS – I3D 23325

A BRASIL EM FOLHAS utiliza cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para recomendar conteúdo e publicidade. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições. Aceitar Consulte mais informação

Política de Privacidade e Cookies