Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Israel vive agitação política com possível governo de união nacional - Jornal Brasil em Folhas
Israel vive agitação política com possível governo de união nacional


O mundo político israelense estava agitado nesta quarta-feira com as múltiplas especulações sobre a possibilidade de o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, conseguir formar nos próximos dias um governo de união nacional com o Partido Trabalhista.

Os contatos entre Netanyahu e o líder da oposição, o trabalhista Isaac Herzog, se intensificaram nos últimos dias e as negociações entraram em uma fase definitiva, informa a imprensa.

Herzog poderia apresentar um possível acordo de coalizão para a votação do partido nos próximos dias.

A entrada de Herzog no governo será acompanhada de perto pela comunidade internacional para observar seu impacto no processo de paz com os os palestinos, atualmente sem nenhuma perspectiva.

O líder trabalhista poderia assumir o ministério das Relações Exteriores.

Herzog defende uma solução de dois Estados, a criação de um Estado palestino independente que coexista em paz com Israel.

Mas a possibilidade de um governo de união nacional parece complicada. No Likud, o partido conservador de Netanyahu, a oposição é considerável.

Dentro do Partido Trabalhista, a resistência também é importante, assim como na União Sionista, a aliança do do Partido Trabalhista com o Hatnuah, da ex-chefe da diplomacia Tzipi Livni.

Netanyahu ouviu na terça-feira as exigências de Herzog para incluir no acordo de governo o compromisso de buscar uma solução de dois Estados, assim como uma forma de interrupção da colonização, fora dos grandes blocos de colônias já existentes, afirma o jornal Haaretz.

Entre os trabalhistas, a principal rival de Herzog, a deputada e ex-líder do partido Shelly Yachimovich, chamou de bodas de sangue a possível aliança com o Likud.

Netanyahu, que dirige um dos governos mais conservadores da história de Israel, nunca escondeu o desejo de aumentar sua maioria, desde a vitória nas legislativas de março de 2015. Ele dispõe apenas de uma possível maioria no Parlamento e nos últimos meses se viu cercado pelos interesses particulares dos partidos e deputados aliados.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212