Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Israel vive agitação política com possível governo de união nacional - Jornal Brasil em Folhas
Israel vive agitação política com possível governo de união nacional


O mundo político israelense estava agitado nesta quarta-feira com as múltiplas especulações sobre a possibilidade de o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, conseguir formar nos próximos dias um governo de união nacional com o Partido Trabalhista.

Os contatos entre Netanyahu e o líder da oposição, o trabalhista Isaac Herzog, se intensificaram nos últimos dias e as negociações entraram em uma fase definitiva, informa a imprensa.

Herzog poderia apresentar um possível acordo de coalizão para a votação do partido nos próximos dias.

A entrada de Herzog no governo será acompanhada de perto pela comunidade internacional para observar seu impacto no processo de paz com os os palestinos, atualmente sem nenhuma perspectiva.

O líder trabalhista poderia assumir o ministério das Relações Exteriores.

Herzog defende uma solução de dois Estados, a criação de um Estado palestino independente que coexista em paz com Israel.

Mas a possibilidade de um governo de união nacional parece complicada. No Likud, o partido conservador de Netanyahu, a oposição é considerável.

Dentro do Partido Trabalhista, a resistência também é importante, assim como na União Sionista, a aliança do do Partido Trabalhista com o Hatnuah, da ex-chefe da diplomacia Tzipi Livni.

Netanyahu ouviu na terça-feira as exigências de Herzog para incluir no acordo de governo o compromisso de buscar uma solução de dois Estados, assim como uma forma de interrupção da colonização, fora dos grandes blocos de colônias já existentes, afirma o jornal Haaretz.

Entre os trabalhistas, a principal rival de Herzog, a deputada e ex-líder do partido Shelly Yachimovich, chamou de bodas de sangue a possível aliança com o Likud.

Netanyahu, que dirige um dos governos mais conservadores da história de Israel, nunca escondeu o desejo de aumentar sua maioria, desde a vitória nas legislativas de março de 2015. Ele dispõe apenas de uma possível maioria no Parlamento e nos últimos meses se viu cercado pelos interesses particulares dos partidos e deputados aliados.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro é destaque em reunião dos 100 maiores empresários do mundo
Operação marítima em Niterói combate mistura de álcool e direção
Cultura do Japão invade a praia de Copacabana com dança e alegoria
Único eclipse total lunar do ano poderá ser visto nesta madrugada
Pais se organizam para gastar menos com material escolar
Brasil busca verbas para garantir participação na Universíade
Bolsonaro chega nesta segunda à Suíça; Mourão assume a Presidência
Theresa May deve apresentar hoje “plano b” para o Brexit

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212