Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Macri cumprirá agenda de alto perfil político em Davos - Jornal Brasil em Folhas
Macri cumprirá agenda de alto perfil político em Davos


O presidente argentino, Mauricio Macri, se reunirá em Davos com o vice-presidente dos Estados Unidos, Joseph Biden, e com os primeiros-ministros de França, Manuel Valls, Grã-Bretanha, David Cameron, Israel, Benjamin Netanyahu, entre outros chefes de Estado, em uma agenda de alto perfil político.

Macri, cuja viagem marca a volta da Argentina ao Fórum Econômico Mundial depois de mais de uma década, chegará na quarta-feira à Suíça e se reunirá com Biden na quinta, de acordo com a agenda oficial divulgada nesta segunda-feira por uma fonte do governo.

Nesse mesmo dia se reunirá com o primeiro-ministro da Holanda, Mark Rutte, e com a Rainha Máxima, para depois comparecer aos encontros bilaterais com Valls, Cameron, Netanyahu e o presidente da Confederação Suíça, Johann Schneider-Ammann.

A reunião com Peña Nieto ocorrerá na sexta-feira, 22, em uma das últimas atividades oficiais de uma agenda que também prevê reuniões com os CEO de empresas como Dow Chemical, Shell, Facebook, Google, Coca-Cola, entre outras.

Macri partirá de Buenos Aires às 21H00 GMT (19h00 de Brasília), em um voo comercial da companhia Air France, com a primeira-dama, Juliana Awada; o chefe de Gabinete, Marcos Peña; e Sergio Massa, deputado e ex-rival pela presidência, informou a agência oficial Telam.

A Argentina voltará a Davos com uma mensagem de abertura ao mundo. O fórum será celebrado nessa localidade turística dos Alpes suíços de 20 a 23 desse mês.

Macri foi finalmente autorizado pelos médicos a viajar, depois de dúvidas na semana passada por uma fissura de costela sofrida há 10 dias quando brincava com sua filha mais nova.

Os ministros da Fazenda, Alfonso Prat-Gay, e das Relações Exteriores, Susana Malcorra, viajarão separadamente, segundo a mesma fonte.

Macri assumiu um governo liberal no dia 10 de dezembro do ano passada e o retorno argentino a Davos acontece em meio a uma série de mudanças políticas na oposição aos governos de centro-esquerda de Néstor e Cristina Kirchner, que em 2003 se afastaram desse fórum.

Vamos a Davos lembrar ao mundo que existimos, disse Prat-Gay na última quinta-feira à imprensa estrangeira.

A Argentina precisa reativar uma economia estagnada com um deficit de quase 6% do PIB, uma inflação projetada para 2016 entre 20 e 25% e um crescimento que na melhor das hipóteses chegará a 1% nesse ano.

É um momento propício para a Argentina porque para muitos investidores não há para onde ir porque as dificuldades estão praticamente no mundo todo, disse Prat-Gay.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212