Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 FAO recomenda que países apliquem modelo de agricultura sustentável - Jornal Brasil em Folhas
FAO recomenda que países apliquem modelo de agricultura sustentável


A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) recomendou nesta segunda-feira que seja aplicado o seu modelo de agricultura sustentável Poupar para crescer, bem sucedido nas terras altas da América Latina.

Segundo a FAO, estudos no mundo todo demonstram que o modelo, que respeita os ecossistemas, permite produzir cereais como milho, arroz e trigo, que correspondem a 42,5% das calorias e a 37% das proteínas consumidas pelo ser humano.

Podem cultivar de modo que se respeite e inclusive se promovam os ecossistemas naturais, diz a entidade com sede em Roma.

Os compromissos internacionais para erradicar a pobreza e enfrentar a mudança climática requerem uma mudança de paradigma a uma agricultura mais sustentável e inclusiva, capaz de obter maiores rendimentos no longo prazo, advertiu o diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva.

Dois recentes acordos internacionais ressaltam a necessidade de inovar os sistemas alimentares para que sejam mais inclusivos, explicou Graziano da Silva.

Trata-se do acordo sobre Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) - que aponta à erradicação da fome e à consolidação de ecossistemas sólidos para 2030 - e do Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas, resultante da conferência do clima na capital francesa (COP21).

Apesar dos níveis recordes das colheitas mundiais de cereais, sua base produtiva é cada vez mais precária, em meio a sinais de esgotamento das águas subterrâneas, de contaminação ambiental, de perda de biodiversidade e outros problemas que marcam o fim da chamada Revolução Verde, explicou a entidade internacional.

Os estudos da FAO calculam que a produção mundial de alimentos terá que aumentar em 60%, principalmente em terras de cultivo já existentes e enfrentando a mudança climática, para alimentar a população em 2050.

É urgente, portanto, que os pequenos agricultores que produzem a maior parte dos cultivos do planeta tenham a possibilidade de fazê-lo de forma mais eficiente e sem que aumente ainda mais a dívida ecológica, adverte a agência especializada das Nações Unidas.

Produzir mais com menos

Poupar para crescer é um modelo voltado a intensificar a produção, mas protegendo e melhorando a base de recursos naturais da agricultura, reduzindo a dependência dos insumos químicos e recorrendo a processos naturais dos ecossistemas.

Entre as práticas mais viáveis está a de cortar e fornecer serrapilheira (camada formada pela deposição e acúmulo de matéria orgânica morta que cobre superficialmente o solo), adotadas cada vez mais pelos agricultores das terras altas da América Central e do Sul.

Outra prática exitosa foi o cultivo de árvores de sombra, que perdem as folhas quando os cultivos de milho adjacentes mais precisam da luz do sol, testada com sucesso no Malaui e na Zâmbia.

Chegou o momento de que as ideias que funcionaram para os agricultores se apliquem nos programas nacionais mais ambiciosos, afirmou o diretor-geral da FAO.

Poupar para crescer inclui um conjunto de técnicas que tentam tirar proveito dos processos biológicos e dos ecossistemas naturais.

Entre seus elementos-chave estão reduzir ao mínimo a lavoura e utilizar a serrapilheira, a rotação de cultivos, a melhora da saúde do solo com o cultivo de plantas fixadoras de nitrogênio (que substituem os caros fertilizantes minerais), a seleção de cultivos com maior potencial de rendimento, com maior resistência ao estresse climático e de maior qualidade nutritiva.

Um exemplo clássico - amplamente adotado na China - é o sistema de cultivo de arroz e a criação de peixes nos arrozais inundados.

Os peixes podem ser vendidos ou integrados à nutrição, mas sua criação evita insetos, fungos ervas daninhas na colheita, reduzindo a necessidade de pesticidas, explicou a FAO.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212