Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Datas importantes da corrida armamentista nuclear - Jornal Brasil em Folhas
Datas importantes da corrida armamentista nuclear


As cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki foram atingidas por bombas atômicas lançadas por aviões americanos em 1945

O presidente americano, Barack Obama, pediu em Hiroshima um mundo sem armas nucleares. Seguem abaixo as datas-chave do desenvolvimento das armas atômicas no mundo:

- Junho de 1942: alguns meses depois da entrada na Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos lançam em sigilo o projeto Manhattan para desenvolver uma bomba atômica e se oporem, assim, ao programa nuclear da Alemanha nazista.

- Julho de 1945: início da era nuclear. Os americanos testam sua primeira bomba atômica no deserto do Novo México (teste Trinity).

- Agosto de 1945: no dia 6, a aviação americana lança uma bomba de urânio sobre Hiroshima (oeste) e deixa aproximadamente 140.000 mortos e dezenas de milhares de feridos.

No dia 9, outra bomba atômica, de plutônio, explode sobre Nagasaki (sudoeste), e deixa aproximadamente 70.000 mortos. O Japão se rende seis dias mais tarde.

- Agosto de 1949: a União Soviética, que anunciou em 1947 possuir o segredo da bomba atômica, realiza no Cazaquistão seu primeiro teste nuclear. Em outubro de 1952, a Grã-Bretanha realiza igualmente seu primeiro teste na Austrália.

- Novembro de 1952: os Estados Unidos testam no Pacífico a bomba de hidrogênio, uma bomba de fusão muito mais potente que a de fissão. Menos de um ano mais tarde, os soviéticos se abastecem de uma arma do mesmo tipo, seguidos pelos britânicos em 1957.

- Fevereiro de 1960: a França detona sua primeira bomba nuclear Gerboise bleue, em Reggane, no deserto argelino. Em outubro de 1964 a China detona, por sua vez, sua primeira bomba atômica e em 1967 a bomba de hidrogênio (ou termonuclear).

- Julho de 1968: em Londres, Moscou e Washington assinam o Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP), que entra em vigor em março de 1970.

A França se converte no quinto membro do clube das grandes potências nucleares, ao detonar sua primeira bomba de hidrogênio na Polinésia francesa.

- Setembro de 1996: é assinado o Tratado de Proibição Completa dos Testes Nucleares (TICE). Mas em 2016 ainda não entrou em vigor.

- Maio de 1998: a Índia (que realizou seu primeiro teste em 1974) e o Paquistão realizam explosões experimentais e se convertem, de fato, na sexta e sétima potências nucleares.

- Outubro de 2006: a Coreia do Norte, que se retirou do TNP em 2003, detona sua primeira bomba atômica. Este teste subterrâneo é seguido por outros três (em maio de 2009, em fevereiro de 2013 e janeiro de 2016) e de muitos disparos de mísseis.

Em dezembro, as autoridades israelenses dão a entender que possuem uma arma nuclear.

- Abril de 2010: Washington e Moscou assinam um novo tratado START, que substitui o de 1991, e prevê uma redução considerável dos arsenais nucleares dos dois países.

- Julho de 2015: o Irã e as grandes potências assinam um acordo histórico que garante o caráter civil do programa nuclear iraniano em troca do fim das sanções internacionais.

Segundo o Instituto Internacional de Estudos para a Paz de Estocolmo (SIPRI), o número de armas nucleares no mundo diminuiu, mas as nove potências nucleares continuam modernizando seus arsenais.

No início de 2015, as ogivas nucleares foram estimadas em 15.850, das quais 4.300 operacionais (contra 22.600, das quais 7.650 operacionais, em 2010). Os Estados Unidos e a Rússia possuem, respectivamente, 7.260 e 7.500, ou seja, 90% do arsenal mundial.

Embora os arsenais do resto dos Estados dotados de armas nucleares sejam consideravelmente menores, os da China (260 ogivas), do Paquistão (entre 100 e 120) e da Índia (entre 90 e 100) seguem aumentando, enquanto Israel (80) testa novos mísseis balísticos de longo alcance.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212