Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Consumo de eletricidade volta a subir depois de 14 meses em queda - Jornal Brasil em Folhas
Consumo de eletricidade volta a subir depois de 14 meses em queda


O consumo de energia elétrica no país registrou alta de 1,4% em abril, em relação ao mesmo mês do ano passado, somando 40.076 gigawatts-hora (GWh). Os dados são da Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrica divulgada hoje (31) pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

Esta é a primeira alta no consumo de eletricidade desde fevereiro de 2015. A alta foi puxada pelo aumento em várias regiões do país, o que levou ao crescimento na demanda das classes residencial e comercial, que expandiram, respectivamente, 7,5% e 1,7%, sendo as que mais contribuíram para a alta do índice geral.

O consumo no setor da indústria continua em queda, tendo fechado em abril com retração de 4,8%, registrando uma queda mais suave do que as observadas nos meses anteriores, principalmente em decorrência das regiões Norte e Centro-Oeste, ambas com crescimento do consumo de, respectivamente, 2,5% e 3,1%. O consumo na classe baixa tensão, no entanto, cresceu em todas as regiões do país, com destaque para o Sudeste.

Na avaliação da EPE, o aumento de 7,5% no consumo da classe residencial (11.772 Gwh), em abril, foi consequência ao efeito de altas temperaturas, fator que já havia sido relevante para o resultado de março (+1,7%).

“Embora as vendas de aparelhos de ar condicionado tenham registrado queda no último ano (-19%), segundo dados da Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento (Abrava), o desconforto causado pelas altas temperaturas no mês levou à intensificação do uso dos equipamentos nos domicílios, mesmo com o alto custo da energia elétrica no orçamento familiar. Com isso, o consumo por domicílio teve crescimento de 4,8% no mês”, informa a associação.

A maior contribuição para o crescimento do consumo residencial veio da região Sudeste (+9,2%), com São Paulo e Rio de Janeiro, os maiores mercados do país, que representam cerca de 40% do consumo total da classe residencial, assinalando crescimento de 9,7% e 12,2%, respectivamente.

Comércio

A EPE constatou que na classe comercial comercial a temperatura também exerceu influência sobre o consumo, porém o uso mais contínuo dos aparelhos de climatização nos estabelecimentos fez com que o impacto no consumo seja menor do que na classe residencial. O consumo de 8.058 GWh nos estabelecimentos de comércio e de serviços resultou no crescimento de 1,7%. Desde setembro, o consumo mensal na classe não superava o do ano anterior.

Indústria

A contração prolongada da economia continuou a influenciar negativamente o consumo industrial do país, que fechou abril ainda com resultado negativo frente ao mês imediatamente anterior: queda de 4,8%. A demanda do setor totalizou 13.889 Gwh. No acumulado do ano, a queda do consumo industrial de energia já acumula retração de 6,8%, enquanto que no acumulado de 12 meses, a queda está em 6,2%.

A EPE ressalta, porém, que apesar dos indicadores industriais continuarem negativos, a retração de abril não foi tão intensa “quanto as registradas nos dois últimos trimestres” (média de -7,6%).

Revisão

A Empresa de Pesquisa Energética e o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) revisaram, na resenha de abril, as projeções do consumo de eletricidade na rede e da carga no Sistema Interligado Nacional (SIN) para o próximo quinquênio.

A nova projeção, intitulada “1ª Revisão Quadrimestral das Projeções da Demanda de Energia Elétrica do SIN 2016-2020”, as projeções de consumo apresentam, em média, redução de 1,6% da perspectiva de consumo para os próximos 5 anos.

Com a revisão, o consumo inicialmente previsto na nota técnica de dezembro de 2015, de 551 terawatts-hora (Twh) até 2020, agora é estimado em 542 TWh, diferença de aproximadamente -1,6%. “Dentre os fatores que nortearam a revisão destaca-se, majoritariamente, o agravamento do cenário macroeconômico e setorial, em especial no curto prazo”. Ainda segundo a EPE, “esperam-se ajustes fiscais e reprogramações de investimentos setoriais ao longo do período, postergando a retomada de crescimento para o final do horizonte”.

Com isso, ganha, na nova projeção, o ganha consumo de baixa tensão (residencial, comercial e de serviços) ganha uma maior relevância para o consumo de eletricidade na rede “face ao recuo previsto para a atividade industrial nos próximos anos.”

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212