Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Funcionários, professores e alunos de universidades estaduais protestam em SP - Jornal Brasil em Folhas
Funcionários, professores e alunos de universidades estaduais protestam em SP


Funcionários, professores e estudantes da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual Paulista (Unesp) e Universidade de Campinas (Unicamp) fizeram hoje (30) um ato público, no vão livre no Museu de Artes de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista e seguiram em caminhada até a sede do Conselho de Reitores das Universidades de São Paulo (Cruesp) para acompanhar uma nova rodada de reuniões entre a entidade e o Fórum das Seis, que engloba as entidades sindicais e estudantis das universidades e do Centro Paula Souza. Eles também fizeram um ato no local.

Os professores da USP aderiram hoje à greve dos servidores da universidade, que começou no dia 12 de maio. Eles se unem também ao protesto de estudantes que ocupam o prédio da Faculdade de Filosofia, Letras, Ciências Humanas (FFLCH) e da Escola de Comunicações e Artes (ECA). As principais reclamações são a redução de repasses do governo estadual e a proposta de reajuste de 3% nos salários dos funcionários da universidade.

Segundo o diretor do Sindicato de Trabalhadores da Universidade de São Paulo (Sintusp), Carlos Magno, esta será a terceira reunião para negociar o reajuste salarial. Os funcionários pedem 12,34% de aumento e as universidades ofereceram 3%. Além disso, querem conversar sobre o que chamam de desmonte da universidade. “Isso é menos de um terço da inflação dos últimos doze meses. Mas não estamos em greve só por isso. Estamos em greve porque querem desvincular da USP os dois hospitais, o de São Paulo e o de Bauru. Também estão terceirizando restaurante, creche e têm um grande projeto de terceirização”.

Outra crítica feita por Carvalho é a falta de investimento e estímulo para a carreira dos docentes. De acordo com o diretor do sindicato, uma das exigências da reitoria é a de que os professores se dediquem exclusivamente à universidade. “O professor só pode trabalhar na universidade, no ensino e na pesquisa. Ele não pode ter outro emprego, não pode ser dono de empresa. Com isso a tendência vai ser uma debandada desses docentes que vão sair para ganhar mais em outros lugares e a qualidade da USP começa a despencar”. Segundo Carvalho a greve é por tempo indeterminado.

O conselho de reitores e a direção da USP foram procurados pela reportagem da Agência Brasil, mas, até a publicação do texto, não tinham se pronunciado.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212