Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Funcionários, professores e alunos de universidades estaduais protestam em SP - Jornal Brasil em Folhas
Funcionários, professores e alunos de universidades estaduais protestam em SP


Funcionários, professores e estudantes da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual Paulista (Unesp) e Universidade de Campinas (Unicamp) fizeram hoje (30) um ato público, no vão livre no Museu de Artes de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista e seguiram em caminhada até a sede do Conselho de Reitores das Universidades de São Paulo (Cruesp) para acompanhar uma nova rodada de reuniões entre a entidade e o Fórum das Seis, que engloba as entidades sindicais e estudantis das universidades e do Centro Paula Souza. Eles também fizeram um ato no local.

Os professores da USP aderiram hoje à greve dos servidores da universidade, que começou no dia 12 de maio. Eles se unem também ao protesto de estudantes que ocupam o prédio da Faculdade de Filosofia, Letras, Ciências Humanas (FFLCH) e da Escola de Comunicações e Artes (ECA). As principais reclamações são a redução de repasses do governo estadual e a proposta de reajuste de 3% nos salários dos funcionários da universidade.

Segundo o diretor do Sindicato de Trabalhadores da Universidade de São Paulo (Sintusp), Carlos Magno, esta será a terceira reunião para negociar o reajuste salarial. Os funcionários pedem 12,34% de aumento e as universidades ofereceram 3%. Além disso, querem conversar sobre o que chamam de desmonte da universidade. “Isso é menos de um terço da inflação dos últimos doze meses. Mas não estamos em greve só por isso. Estamos em greve porque querem desvincular da USP os dois hospitais, o de São Paulo e o de Bauru. Também estão terceirizando restaurante, creche e têm um grande projeto de terceirização”.

Outra crítica feita por Carvalho é a falta de investimento e estímulo para a carreira dos docentes. De acordo com o diretor do sindicato, uma das exigências da reitoria é a de que os professores se dediquem exclusivamente à universidade. “O professor só pode trabalhar na universidade, no ensino e na pesquisa. Ele não pode ter outro emprego, não pode ser dono de empresa. Com isso a tendência vai ser uma debandada desses docentes que vão sair para ganhar mais em outros lugares e a qualidade da USP começa a despencar”. Segundo Carvalho a greve é por tempo indeterminado.

O conselho de reitores e a direção da USP foram procurados pela reportagem da Agência Brasil, mas, até a publicação do texto, não tinham se pronunciado.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212