Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 STF volta a discutir norma que regulamentou vaquejada no Ceará - Jornal Brasil em Folhas
STF volta a discutir norma que regulamentou vaquejada no Ceará


O Supremo Tribunal Federal (STF) voltou a discutir hoje (2) a constitucionalidade da lei cearense 15.299/2013, que regulamentou os espetáculos de vaquejada no estado. A ação contra o evento foi protocolada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em 2013. O procurador sustenta que a prática está relacionada a maus-tratos a animais.

O julgamento foi retomado nesta quinta-feira com o voto do ministro Luís Roberto Barroso. Barroso entendeu que, embora seja uma manifestação esportiva e cultural, com repercussão econômica principalmente nos estados do Nordeste, a prática da vaquejada submete os animais a crueldade, como forma de entretenimento.

“Se os animais têm algum interesse incontestável, esse interesse é o de não sofrer. Embora ainda não se reconheça a titularidade de direitos jurídicos aos animais, como seres sencientes, têm eles pelo menos o direito moral de não serem submetidos a crueldade”, disse Barroso.

Apesar do pedido de vista, o ministro Celso de Mello adiantou voto e entendeu que a lei que regulamentou a vaquejada no Ceará é inconstitucional por tratar-se de maus tratos contra os animais, crime tipificado na legislação ambiental.

“Inexiste norma legal que possa alterar a realidade, a natureza desses fatos, uma prática violenta de ameaça à integridade física dos animais. Ela não deixa de ser cruel porque a lei eventualmente a classifique como uma prática desportiva”.

O ministro Teori Zavascki condenou os maus-tratos aos bovinos, mas ressaltou que a constitucionalidade da vaquejada não está em discussão no julgamento. Em seu voto, o ministro divergiu e entendeu que a norma é válida por tentar reduzir os maus-tratos dos animais. “A lei talvez tenha procurado evitar justamente aquela forma de vaquejada cruel, Essa lei é melhor do que não ter lei”, disse Zavascki.

Gilmar Mendes ressaltou que lei adotou medidas para não prejudicar a saúde dos animais e tentou criar padrões civilizatórios para as competições. Segundo o ministro, derrubar a lei significa colocar a vaquejada na clandestinidade. “Se fossemos levar a questão a ferro e fogo, nós teríamos que proibir a matança de animais. Eles são alimentados e engordados para isso”, argumentou o ministro.

Após os votos proferidos hoje, o julgamento foi suspenso mais uma vez por um pedido de vista do ministro Dias Toffoli, que quer mais tempo para analisar o caso. O placar do julgamento, iniciado em agosto do ano passado, está empatado em 4 votos a favor da validade da norma e 4 pela inconstitucionalidade. Não há data para retomada do julgamento.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212