Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Caso Miranda: lei antiterror britânica é incompatível com direitos humanos - Jornal Brasil em Folhas
Caso Miranda: lei antiterror britânica é incompatível com direitos humanos


A lei antiterrorista britânica é incompatível com a legislação europeia sobre direitos humanos, segundo a justiça britânica, no caso do brasileiro David Miranda, retido por nove horas em um aeroporto de Londres.

Miranda é namorado do jornalista Glenn Greenwald, do The Guardian, que publicou as informações vazadas pelo analista de inteligência americano Edward Snowden.

O brasileiro perdeu o recurso alegando que a polícia atuou ilegalmente ao detê-lo no aeroporto de Heathrow em 2013, quando viajava da Alemanha para o Brasil com informações coletadas por Snowden.

Contudo, os juízes estimaram que um artigo-chave da lei antiterrorista de 2000 - o anexo 7 -, que amparou a atuação policial em Londres, é contrário à lei europeia e que cabe ao Parlamento mudá-lo.

Esse anexo da lei permite à polícia reter e interrogar alguém até o período máximo de nove horas em portos, aeroportos e estacionamentos, sem que seja necessário apresentar suspeitas razoáveis de que essa pessoa seja um terrorista.

Os detidos são obrigados a dar toda informação exigida pela polícia, sem direito a permanecer em silêncio ou a um advogado. O material deve ser devolvido em uma semana, mas os dados telefônicos e computadores podem ser copiados e retidos por muito mais tempo.

Para os juízes que estudaram o caso, o poder de detenção, se usado objetivando informação ou material jornalístico, é incompatível com a convenção europeia de direitos humanos, disse o juiz John Dyson.

O namorado de Miranda, o jornalista Greenwald, considerou o parecer dos juízes uma grande vitória.

A lei sobre terrorismo viola direitos fundamentais porque não protege jornalistas, acrescentou.

O anexo 7 tem sido uma mancha em nossa paisagem legal há anos, incrivelmente abrangente e intrusiva, fazendo um convite à discriminação e sendo mal aplicada rotineiramente, disse Rosie Brighouse, da organização de defesa da liberdade de expressão Liberty, que considerou o parecer dos juízes uma vitória para a liberdade de imprensa.

Cerca de 60 mil pessoas são interrogadas anualmente em virtude desse anexo e o governo insiste em que é necessário para investigar passageiros quando não há informações suficientes para justificar sua detenção.

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE