Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Caso Miranda: lei antiterror britânica é incompatível com direitos humanos - Jornal Brasil em Folhas
Caso Miranda: lei antiterror britânica é incompatível com direitos humanos


A lei antiterrorista britânica é incompatível com a legislação europeia sobre direitos humanos, segundo a justiça britânica, no caso do brasileiro David Miranda, retido por nove horas em um aeroporto de Londres.

Miranda é namorado do jornalista Glenn Greenwald, do The Guardian, que publicou as informações vazadas pelo analista de inteligência americano Edward Snowden.

O brasileiro perdeu o recurso alegando que a polícia atuou ilegalmente ao detê-lo no aeroporto de Heathrow em 2013, quando viajava da Alemanha para o Brasil com informações coletadas por Snowden.

Contudo, os juízes estimaram que um artigo-chave da lei antiterrorista de 2000 - o anexo 7 -, que amparou a atuação policial em Londres, é contrário à lei europeia e que cabe ao Parlamento mudá-lo.

Esse anexo da lei permite à polícia reter e interrogar alguém até o período máximo de nove horas em portos, aeroportos e estacionamentos, sem que seja necessário apresentar suspeitas razoáveis de que essa pessoa seja um terrorista.

Os detidos são obrigados a dar toda informação exigida pela polícia, sem direito a permanecer em silêncio ou a um advogado. O material deve ser devolvido em uma semana, mas os dados telefônicos e computadores podem ser copiados e retidos por muito mais tempo.

Para os juízes que estudaram o caso, o poder de detenção, se usado objetivando informação ou material jornalístico, é incompatível com a convenção europeia de direitos humanos, disse o juiz John Dyson.

O namorado de Miranda, o jornalista Greenwald, considerou o parecer dos juízes uma grande vitória.

A lei sobre terrorismo viola direitos fundamentais porque não protege jornalistas, acrescentou.

O anexo 7 tem sido uma mancha em nossa paisagem legal há anos, incrivelmente abrangente e intrusiva, fazendo um convite à discriminação e sendo mal aplicada rotineiramente, disse Rosie Brighouse, da organização de defesa da liberdade de expressão Liberty, que considerou o parecer dos juízes uma vitória para a liberdade de imprensa.

Cerca de 60 mil pessoas são interrogadas anualmente em virtude desse anexo e o governo insiste em que é necessário para investigar passageiros quando não há informações suficientes para justificar sua detenção.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212