Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Investigação diz que Putin provavelmente aprovou assassinato de espião - Jornal Brasil em Folhas
Investigação diz que Putin provavelmente aprovou assassinato de espião


O presidente russo, Vladimir Putin, provavelmente aprovou o assassinato por envenenamento, em Londres, em 2006, do ex-espião russo Alexander Litvinenko, declarou nesta quinta-feira o juiz britânico Robert Owen ao apresentar os resultados da investigação sobre o caso.

Este veredicto pode aumentar as tensões com o Kremlin, que tachou de piada a investigação, com nítida motivação política e carente de transparência.

Pode ser uma piada, declarou à imprensa o porta-voz de Putin, Dimitri Peskov. Melhor seria atribuir ao humor inglês o fato de que uma investigação pública se baseie em dados classificados de serviços especiais não identificados, acrescentou.

Moscou sempre negou participação na morte do opositor russo, que foi envenenado com polônio-210, uma substância radioativa extremamente tóxica e dificilmente detectável.

Já o primeiro-ministro britânico, David Cameron, confirmou que o assassinato foi encomendado por um Estado.

A operação do FSB (serviços de inteligência russo) para matar Litvinenko foi provavelmente aprovada por (Nikolai) Patrushev (diretor do FSB na época) e também pelo presidente Putin, afirma o juiz no relatório.

Se o papel de Putin na morte permanece em aberto, a investigação é muito mais contundente sobre a participação do Estado russo.

O Estado russo foi responsável pela morte de Litvinenko, destacam as conclusões, que confirmam também que a execução, com a introdução de polônio em um chá durante uma reunião no bar de um hotel em Londres, foi realizada por dois agentes russos, Andrei Lugovoi e Dmitri Kovtun.

Quando Lugovoi envenenou Litvinenko, é provável que tenha feito sob a direção do FSB. Acrescentaria que vejo isto como uma forte probabilidade. Concluí que Kovtun também teve participação no envenenamento, acrescenta o juiz no documento de 300 páginas, resultado de um ano e meio de audiências.

Segundo ele, uma primeira dose mais baixa de polônio teria sido administrada no espião em 16 de outubro, antes da dose fatal de 1º de novembro.

O fato de Litvinenko ter sido envenenado com polônio-210 fabricado em um reator nuclear sugere que Lugovoï e Kotvun agiram provavelmente em nome de um Estado e não de uma organização criminosa, acrescenta.

A respeito da participação do Estado russo na morte, o porta-voz do primeiro-ministro britânico David Cameron declarou que o fato de o crime ter sido autorizado pelo mais alto nível do Estado russo é extremamente perturbador.

Não é uma maneira de se comportar, menos ainda para um país que é membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, ressaltou.

Neste contexto, a ministra do Interior britânica, Theresa May, convocou o embaixador russo em Londres para comentar sobre as conclusões da justiça, e anunciou que os bens dos dois supostos executores vão ser congelados.

Além disso, a polícia britânica exigiu mais uma vez a extradição dos dois acusados. Há ordens de prisão vigentes contra Andrei Lugovoi e Dimitri Kovtun. Nosso objetivo será sempre levá-los ante uma corte penal, declarou a Scotland Yard em um comunicado.

Guerra fria

A viúva de Litvinenko, Marina, pediu para que Londres imponha sanções econômicas à Rússia e proíba a entrada em seu território do presidente Putin e dos agentes incriminados.

Quanto a Lugovoi, ele chamou as acusações de absurdas.

Alexander Litvinenko morreu em 23 de novembro de 2006, aos 43 anos de idade. Sua foto em seu leito de morte, na qual aparece careca e magro, rodou o mundo.

 

Últimas Notícias

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento
Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human
Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país
EBC e Fundação Getulio Vargas firmam acordo para revitalizar acervo
Trabalho de escoramento em viaduto paulistano prossegue neste sábado
Belo Horizonte tem previsão de mais chuva; temporais já mataram quatro
Prefeito de Mariana diz que não desistirá de ação no Reino Unido

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212