Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Impeachment: reunião é suspensa sem concluir oitiva da primeira testemunha - Jornal Brasil em Folhas
Impeachment: reunião é suspensa sem concluir oitiva da primeira testemunha


O presidente da Comissão Processante do Impeachment, Raimundo Lira (PMDB-PB), suspendeu a oitiva do procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União, Júlio Marcelo de Oliveira, por 40 minutos em razão do início da ordem do dia no plenário do Senado. Oliveira é a primeira testemunha a ser ouvida pela comissão nesta fase do processo de impeachment, de instrução processual.

A oitiva de Júlio Marcelo começou com atraso por causa de diversas discussões sobre procedimentos e votação de requerimentos entre os membros da comissão. O procurador já tinha sido ouvido na primeira fase do processo, quando ainda se discutia a admissibilidade do impeachment no Senado, e voltou a dizer hoje que a política fiscal do governo foi determinante para a atual crise econômica no país.

Segundo Júlio Marcelo, o TCU identificou o uso pelo governo de bancos públicos, como o Banco do Brasil, como fonte de financiamento, o que é vedado pela lei.

“Por uma razão do despacho inicial lá do processo na Câmara, o objeto aqui está circunscrito ao Banco do Brasil, no Plano Safra, no que diz respeito ao uso de bancos federais como fonte de financiamento. Essa conduta, como foi apontado pelo Ministério Público de Contas e reconhecido pelo Tribunal de Contas, fere a Lei de Responsabilidade Fiscal. No entender do Ministério Público de Contas, configura-se uma violação, uma operação de crédito e essa conduta foi rechaçada e condenada pelo TCU e é condenada pela nossa atuação no Ministério Público de Contas também”, disse ele.

Sobre a edição dos decretos de suplementação orçamentária, pelos quais a presidente afastada Dilma Rousseff também está sendo processada, o procurador disse que o TCU adota um critério mais flexível do que o que a lei estabelece. Esse critério, que foi adotado no exame da questão, é que, quando se tratar de decretos cujo aumento da despesa primária esteja sendo custeado pela anulação de despesas também primárias, não haveria o impacto que merecesse uma rejeição desse decreto, afirmou Júlio Marcelo.

Esse é o entendimento que não é o mais restrito, já é um entendimento mais flexível. Portanto seriam, segundo esse critério do TCU, violadores da Constituição e da Lei Orçamentária aqueles decretos que têm outras fontes de financiamento, o superávit financeiro ou o excesso de arrecadação”, explicou.

Dilma Rousseff teve as contas condenadas pelo TCU pela edição desses decretos. O parecer foi usado para embasar também o pedido de impeachment formulado pelos advogados Janaína Paschoal, Miguel Reale Júnior e Hélio Bicudo.

A oitiva de Júlio Marcelo deve continuar depois da ordem do dia. Estão marcados para hoje os depoimentos de mais cinco testemunhas, mas, diante das constantes interrupções para questionamentos sobre procedimentos, é possível que pelo menos uma parte delas tenha a oitiva adiada.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro terá uma série de reuniões na próxima semana em Brasília
Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero
Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer
Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte
Estudantes poderão renovar o Fies até o dia 23
Massoterapeuta Dani Bumbum deixa prisão no Rio
Cervejas terão rótulos com os ingredientes usados na fabricação
Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212