Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Romênia recorda o pogrom de 1941, página sombria de sua história - Jornal Brasil em Folhas
Romênia recorda o pogrom de 1941, página sombria de sua história


A Romênia recorda nesta quinta-feira o pogrom de Bucareste, de janeiro de 1941, uma das páginas mais negras de sua história, quando 151 judeus foram mortos e centenas de propriedades e locais de culto saqueados.

Reunidos na grande sinagoga de Bucareste, vandalizada há 75 anos, várias dezenas de judeus, representantes das autoridades romenas e diplomatas depositaram coroas de flores em homenagem às vítimas.

Estes acontecimentos trágicos (...) representam uma página dolorosa, uma página negra na história dos judeus da Romênia e do povo romeno como um todo, declarou Aurel Vainer, deputado da minoria judaica no parlamento de Bucareste.

Em 21 de janeiro de 1941, membros da Guarda de Ferro, um movimento fascista e antissemita associado ao governo pelo marechal pró-nazista Ion Antonescu, organizaram uma rebelião para tomar todo o poder.

Eles semearam uma onda de terror entre os judeus, matando 151 deles e saqueando 616 lojas e vinte sinagogas, segundo o relatório de uma comissão de historiadores liderada pelo Prêmio Nobel da Paz Elie Wiesel.

Referindo-se a essas atrocidades, Vainer cita, entre outros crimes, a execução no matadouro de Bucareste de dez judeus, cujos corpos foram posteriormente pendurados em ganchos sob a inscrição carne kosher.

Hordas de legionários (membros da Guarda de Ferro) tomaram de assalto os bairros judeus, saqueando e incendiando imóveis, embarcando em caminhões dezenas de pessoas que foram executadas na floresta de Jilava, ao sul de Bucareste, lembrou por sua vez o historiador Adrian Cioflânca.

Segundo ele, as autoridades da época deixaram que os legionários espalhassem o caos, sem responder aos apelos desesperados dos judeus.

Nós, os sobreviventes, temos o dever de relembrar esses eventos para evitar a sua recorrência, e homenagear todos os não-judeus que salvaram judeus durante este momento difícil, disse Vainer.

A comunidade judaica da Romênia, com 800.000 pessoas antes da Segunda Guerra Mundial, conta hoje com cerca de 5.700 pessoas.

De acordo com o relatório Wiesel, entre 280.000 e 380.000 judeus romenos e ucranianos morreram sob o regime de Antonescu entre 1940 e 1944, nos territórios controlados pela Romênia.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212