Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Justiça dos EUA classifica banda larga como serviço básico - Jornal Brasil em Folhas
Justiça dos EUA classifica banda larga como serviço básico


Um tribunal federal dos Estados Unidos decidiu na terça-feira que a Internet é uma ferramenta pública e que o acesso de alta velocidade é um serviço básico, ratificando uma polêmica regulamentação que obriga os provedores de acesso em banda larga a tratarem equitativamente todo o tráfego on-line.

O chamado princípio da neutralidade da rede, que impede os provedores de bloquearem ou de reduzirem a velocidade de navegação dos consumidores, foi mantido após receber dois votos a favor e um contra na Corte de Apelações em Washington.

A aprovação é a primeira em um tribunal federal após duas tentativas fracassadas, no âmbito de uma batalha judicial que já dura mais de uma década.

A decisão representa um revés para companhias como a Verizon e a AT&T, que argumentam que a regulação impõe restrições aos provedores e desacelera o investimento.

O juiz David Tatel disse que a decisão da Comissão Federal de Comunicação (FCC) é um exercício permitido da sua autoridade.

No ano passado, a FCC reclassificou as companhias de Internet como operadoras comuns, que podem ser reguladas como companhias telefônicas, e a banda larga, como um serviço básico.

Na sentença, Tatel afirma que a função dos provedores de banda larga é análoga à das companhias telefônicas: atuam como plataformas neutras, indiscriminadas para a transmissão da expressão de qualquer usuário.

Os que apoiam a neutralidade da rede, como Google, Netflix e Twitter, dizem que os limites regulatórios são necessários para assegurar que os provedores de Internet não adotem modelos de negócio que prejudiquem os consumidores e a concorrência.

Sem regulação, os provedores de banda larga poderiam, por exemplo, reduzir a velocidade de navegação em alguns pacotes para cobrar tarifas mais altas pelo serviço.

Os provedores de acesso já anunciaram que pretendem recorrer da decisão na Suprema Corte.

Sempre quisemos que este tema fosse decidido pela Suprema Corte, motivo pelo qual vamos participar dessa apelação, disse o advogado da AT&T, David McAtee, em um comunicado.

 

Últimas Notícias

Saúde libera recursos para atender moradores da região de Brumadinho
Justiça determina prisão preventiva de acusado de espancar paisagista
Irmão de mulher espancada diz que ainda está chocado com a violência
Flamengo pede mais prazo para decidir sobre indenização de vítimas
Profissionais que atuaram em Brumadinho serão monitorados
Auditores descobrem 158 Kg de cocaína na fronteira com a Bolívia
Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
Bolsonaro irá ao Congresso entregar texto da reforma da Previdência

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212