Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 CMO aprova projeto que modifica a Lei Orçamentária de 2016 - Jornal Brasil em Folhas
CMO aprova projeto que modifica a Lei Orçamentária de 2016


A Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional aprovou hoje (14) o projeto de lei complementar (PLN 3/16), que modifica a Lei Orçamentária para este ano (Lei 13.255/16), de modo a flexibilizar a abertura de créditos suplementares sem a necessidade de aprovação pelo Congresso.

Encaminhado pela presidenta afastada Dilma Rousseff, o projeto ainda depende de aprovação do plenário do Congresso Nacional.

Aprovado na CMO na forma de substitutivo apresentado pelo relator, deputado Covatti Filho (PP-RS), o projeto autoriza o governo federal a reforçar em até 20 % o valor de uma despesa prevista no Orçamento deste ano, por meio do cancelamento de até 20 % do valor de outra despesa, via decreto.

A movimentação entre subtítulos permitida atualmente pela Lei 13.255 é de 10 % do valor da despesa cancelada. O percentual é tido como baixo e, por isso, o governo argumentou que a mudança para 20 % torna a gestão orçamentária mais flexível e permite priorizar com recursos ações mais adiantadas.

Na justificativa do substitutivo, Covatti Filho disse que a medida não acarretará aumento de despesas.

“O projeto visa a possibilitar a realização dos ajustes pelos poderes da República, Ministério Público da União e Defensoria Pública da União, pertinente a autorização legislativa para a abertura de crédito suplementar. Cabe ressaltar que a medida não eleva o montante de despesas, uma vez que a origem dos recursos decorre unicamente de cancelamentos de dotações”, acrescentou.

Conforme o relator, o governo interino tem prioridades diversas do governo afastado. “Sendo assim e considerando que a proposição apenas restabelece práticas observadas no passado, as alterações podem conferir a liberdade e a agilidade de que Poder Executivo precisa nesse momento para promover os ajustes necessários à implementação de suas decisões”.

No texto de Covatti, também foi aprovada a possibilidade do governo cancelar recursos de emendas coletivas do Congresso e direcionar esses recursos para outras áreas de interesse. A exceção é para os recursos previstos nas emendas com execução orçamentária obrigatória prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

O substitutivo também aumentou o número de cargos e funções comissionados que poderão ser preenchidos pela Justiça Eleitoral neste ano. O Orçamento em vigor autoriza o provimento de 161 cargos. A criação dos cargos foi uma reivindicação do Tribunal Superior Eleitoral com o argumento de que o custo dessas contratações já está contemplado no orçamento de pessoal da Corte para este ano.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212