Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Israel e ONU se envolvem em uma disputa cada vez mais tensa - Jornal Brasil em Folhas
Israel e ONU se envolvem em uma disputa cada vez mais tensa


Israel e as Nações Unidas estão envolvidas em uma troca de declarações cada vez mais duras, refletindo a pressão dos colonos sobre o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e que evidencia o quanto a solução de dois Estados está distante.

A colonização é um insulto ao povo palestino e à comunidade internacional, declarou ma terça-feira o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, referindo-se aos diversos projetos de construção de novos assentamentos na Cisjordânia ocupada.

Os novos projetos são iniciativas provocativas, disse Ban, considerando que poderiam aumentar a tensão e atrapalhar qualquer perspectiva de solução política.

Cisjordânia, Jerusalém e Israel estão mergulhados desde 1º de outubro em um novo ciclo de violência que já matou 159 palestinos, 25 israelenses, um americano e um eritreu.

Este ciclo de violência aumenta os temores de um novo levante palestino, uma terceira Intifada.

Os comentários do secretário-geral da ONU incentivam o terrorismo, respondeu asperamente Netanyahu depois que Ban evocou a frustração dos palestinos que justifica a violência.

A maioria dos palestinos foram mortos a tiros por policiais ou soldados quando tentavam atacar civis ou militares israelenses com armas brancas. Os ataques são quase diários e nada indica que cessarão.

Outros palestinos foram mortos em confrontos com forças de segurança durante as manifestações.

Apesar da virulência, o confronto diplomático entre Israel e a ONU não é novo, consideram especialistas.

Os israelenses estão convencidos de que a ONU é hostil a Israel e utiliza uma linguagem bastante agressiva há tempos e muito antes de maio de 2015, quando tomou posse um dos governos mais conservadores da história do país.

Antes de atacar Ban Ki-moon, Netanyahu acusou a comunidade internacional de tratar Israel pior do que a Síria, a Coreia do Norte ou o Irã.

Em 14 de janeiro, equiparou a decisão da União Europeia de identificar com etiquetas os produtos israelenses provenientes de colônias com que o que os nazistas faziam.

Ao mesmo tempo, a ministra sueca das Relações Exteriores foi praticamente declarada persona non grata por ter pedido uma investigação sobre os casos de palestinos mortos pelas forças de segurança.

A ONU, mas também a União Europeia e os Estados Unidos, temem que a colonização impeça o estabelecimento de um Estado palestino, um elemento-chave de todas as iniciativas de paz para resolver um conflito de quase 70 anos.

Ban lembrou em seu comunicado os mais recentes projetos de colonização, como a construção de 153 residências ou a anexação de terras agrícolas no Vale do Jordão.

Mas as demolições israelenses, o deslocamento de beduínos e as restrições ao desenvolvimento econômico também fazem parte da colonização, ressaltou.

Por sua vez, Netanyahu reiterou que está disposto a retomar as negociações interrompidas em abril de 2014, mas ressaltando que o lado palestino não é um parceiro para a paz.

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, acaba de dizer que estava disposto a negociar se Israel suspender a colonização e libertar os prisioneiros, como especificado em acordos anteriores.

Atualmente, nenhum dos cinco membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas - Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Rússia e China - ou a União Europeia parecem dispostos a tomar a iniciativa de reiniciar um processo de paz.

Os palestinos dizem que estão preparando um projeto de resolução para apresentar ao Conselho de Segurança sobre a colonização e pedindo um estatuto de proteção internacional das Nações Unidas.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212