Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Entenda a reforma da Constituição francesa proposta pelo governo - Jornal Brasil em Folhas
Entenda a reforma da Constituição francesa proposta pelo governo


O projeto de reforma da Constituição francesa, proposto depois dos atentados de 13 de novembro, incluirá a perda de nacionalidade para certos crimes graves, mas não terá referência explícita à dupla nacionalidade, um tema polêmico no país.

A reforma será acompanhada da ratificação de uma convenção internacional que proíbe criar apátridas, segundo planos do governo.

Não figurará no texto nenhuma referência à dupla nacionalidade, afirmou nesta quarta-feira o primeiro-ministro Manuel Valls, ao apresentar o projeto de revisão constitucional à comissão de leis da Assembleia Nacional (Câmara baixa).

O primeiro-ministro anunciou ao mesmo tempo que a França vai ratificar a Convenção das Nações Unidas de 1961, que proíbe a criação de apátridas.

A ideia é não estigmatizar os franceses que têm dupla nacionalidade, explicou. Mas a reforma, sem mencionar isso explicitamente, abre, na realidade, a porta para que se perca uma das nacionalidades.

O tema é alvo há várias semanas de ásperas polêmicas na maioria socialista e no conjunto da esquerda.

Inúmeras personalidades socialistas criticaram o fato de o governo retomar uma medida reivindicada há tempos pela direita e pela extrema-direita, e consideraram que a mesma estigmatiza os franceses de dupla nacionalidade e questiona o ius soli (direito ao solo).

Valls anunciou da mesma maneira uma pena complementar de perda de todos os direitos ligados à nacionalidade (elegibilidade, voto, emprego público), que poderá ser aplicada às pessoas que têm apenas nacionalidade francesa.

Manuel Valls disse que a aplicação dessas medidas será rigidamente limitada ao terrorismo ou às formas graves de atentado aos interesses fundamentais da nação.

No que diz respeito ao estado de emergência, continuará sendo um regime de exceção necessariamente limitado no tempo e sua inclusão na Constituição não equivale a instaurar um estado de emergência permanente, enfatizou.

O estado de emergência, instaurado depois dos atentados de 13 de novembro passado, reforça os poderes da polícia, permitindo prisões domiciliares, buscas e proibição de manifestação sem controle judicial.

 

Últimas Notícias

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento
Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human
Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país
EBC e Fundação Getulio Vargas firmam acordo para revitalizar acervo
Trabalho de escoramento em viaduto paulistano prossegue neste sábado
Belo Horizonte tem previsão de mais chuva; temporais já mataram quatro
Prefeito de Mariana diz que não desistirá de ação no Reino Unido

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212