Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Hospital que cobrava por partos feitos pelo SUS é multado em R$ 165 mil - Jornal Brasil em Folhas
Hospital que cobrava por partos feitos pelo SUS é multado em R$ 165 mil


O Hospital Monte Sinai, suspeito de cobrar por partos e outros procedimentos feitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), foi multado em R$ 165 mil pela Prefeitura de Goiânia. O documento pede ainda a devolução de quase R$ 143 mil ao Ministério da Saúde, referentes aos 212 pacientes que pagaram por serviços já custeados pelo governo. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), auditorias são sendo feitas na unidade para que outras irregularidades sejam apuradas.
“Esses outros processos ainda estão em fase inicial, a auditoria está encaminhando as investigações, são outras irregularidades para serem verificadas, e as sansões que poderão advir destes processos serão apuradas em cada procedimento”, disse o assessor jurídico da SMS, Carlos Eduardo Itacaramby.
A decisão da prefeitura foi divulgada na quinta-feira (16), três meses depois de uma denúncia feita em uma reportagem da TV Anhanguera. Nela, um vídeo mostrava o médico ginecologista Divino Anselmo Orlando cobrando para atender pacientes do SUS.
O hospital está com atendimento pelo SUS suspenso, que só deve ser retomado caso a primeira, das quatro auditorias que a unidade está sendo submetida, não apontar irregularidades. No entanto, a retomada deve ser apenas no setor de obstetrícia. Caso não seja registrado algo que fuja dos padrões exigidos pelo Ministério da Saúde, o hospital poderá ser descredenciado do serviço público de saúde.
A SMS não quis revelar quais problemas estão sendo investigados pelas auditorias em curso. A reportagem tentou contato por telefone com a diretoria do Hospital Monte Sinai e com o médico Divino Anselmo Orlando, mas não obteve retorno até esta publicação.

Vítima

Entre os lesados pela cobrança indevida está o atendente Wellington de Almeida Valadão, que afirma que pagou mais de R$ 1 mil pelo parto da filha, que hoje tem 4 anos de idade.
“Foi cobrado o valor de R$ 1,3 mil pelo parto. Eu achei estranho porque não me deram recibo, não aceitava cartão. Eles falaram que não tinha vaga pelo SUS, mas eu assinei uma documentação falando que eu tava sendo atendido pelo SUS. Eles falaram que a cesariana ia ser particular pelo médico”, revelou o atendente.

 

Últimas Notícias

Índice de registro de imóveis pode melhorar transações no país
Programa para receber declaração do IR estará disponível segunda-feira
Paulo Guedes espera aprovação da reforma da Previdência até junho
Doria anuncia redução do aumento do preço médio do gás em São Paulo
Pesquisador em Engenharia Aeroespacial assume presidência do CNPq
Ortega anuncia retomada do diálogo com a sociedade organizada
Empresária vítima de tentativa de feminicídio no Rio deixa hospital
Atriz Fernanda Montenegro recebe alta de hospital no Rio

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212