Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Professores do Rio decidem quarta-feira se mantêm greve iniciada em março - Jornal Brasil em Folhas
Professores do Rio decidem quarta-feira se mantêm greve iniciada em março


Os professores do estado do Rio de Janeiro decidem nesta quarta-feira (22) se mantêm a greve, iniciada no dia 3 de março. A categoria está com o ponto cortado desde a semana passada, quando a justiça suspendeu liminar que impedia o corte, por entender que o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação não cumpriu a ordem de manter 70% do total de servidores em cada escola.

O Departamento Jurídico do sindicato “recorreu imediatamente” quando a liminar foi cassada, e o Tribunal de Justiça ainda não se manifestou sobre o recurso.

“O governo pode agir de forma autoritária e truculenta, desrespeitando o processo legal, e descontar os dias parados. Se houver desconto salarial, ou se perdermos o recurso, recorreremos ao STF [Supremo Tribunal Federal]. Mas a questão é política: a greve continua forte e é isso que o governo quer destruir! Lembremos que, se houver corte, será a partir de agora, pois não pode haver desconto retroativo e, principalmente, não haverá reposição dos dias descontados”, diz a nota do sindicato.

A coordenadora geral do dindicato, Doroteia Santana, afirma que a negociação com a Secretaria de Estado de Educação está parada. “Temos procurado a secretaria para as negociações, mas, até omomento, não temos nada de resposta. Eles não falam concretamente, pelo que a gente está observando, eles estão mesmo esperando a [decisão da] questão na Justiça. Eles estão dizendo que vão cortar o ponto, mas a greve permanece forte, as pessoas estão muito indignadas com o atraso do salário.”

Segundo Doroteia, houve alguns avanços na pauta pedagógica de reivindicação, como a eleição para a direção da escola, o abono das faltas da greve e a licença especial. Porém, não houve acordo nos pontos econômicos da pauta.

“O governo não deu ainda retorno, por exemplo, para uma proposta de reposição de perda salarial, a volta do calendário de pagamento para o segundo dia útil – estamos recebendo dia 12, dia 13, e as contas vencem no dia 5. [Quanto] ao terço do tempo para preparação pedagógica, eles apresentaram uma proposta que é muito ruim, um calendário pelo qual o grosso da categoria só vai poder usufruir em 2019, que são os profissionais 16 horas. Isso é muio sério. Um terço é lei, o governo já deveria estar cumprindo desde 2008 e não está cumprindo.”

A Secretaria de Estado de Educação foi procurada pela reportagem, mas não retornou até o fechamento desta matéria.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212