Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Estudantes secundaristas e meio acadêmico debatem ocupação de escolas no Rio - Jornal Brasil em Folhas
Estudantes secundaristas e meio acadêmico debatem ocupação de escolas no Rio


O movimento de ocupação de escolas fluminenses foi tema de seminário realizado hoje (18) na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) para discutir a nova forma de ação dos alunos para reivindicar uma escola pública de qualidade.

“A ideia era que a universidade pudesse dialogar com esses jovens que criaram essa nova forma de ação política, que é muito importante no momento, diferente da ação política tradicional”, disse a diretora da Escola de Educação da Unirio, Sandra de Medeiros. “Eles se organizaram de maneira horizontal, conseguiram se articular e criaram novas formas de se expressar politicamente. Temos que aprender com eles”, elogiou.

A estudante do terceiro ano ensino médio Yasmim da Silva Conceição participa há quase 3 meses do movimento de ocupação da Escola Estadual Paulo Assis Ribeiro, em Pendotiba, Niterói, região metropolitana do Rio. Yasmin contou que era avessa à política e acabou no movimento por acaso, persuadida por outros estudantes.

“Apesar de estar há oito anos na escola, não enxergava que havia tantos problemas. Nunca pensei que pudéssemos ocupar para melhorar. A convivência foi complicada, pois a maioria não se conhecia. Mas agora está muito legal, viramos uma família. Somo cerca de 50 pessoas”, contou.

“Continuamos lá porque as pautas externas, em comunhão com todas as escolas ocupadas, ainda não foram atendidas, como o passe livre, eleição para direção, grêmio. Queremos ter o mesmo padrão de ensino das escolas particulares, poder concorrer com eles de igual para igual”, acrescentou a estudante.

Os alunos chegaram a ocupar mais de 70 escolas no estado. Apesar de a Justiça ter determinado o fim das ocupações e a volta às aulas, muitos estudantes permanecem nas escolas para reivindicar melhorias no ensino que ainda não estão garantidas pelo estado. Além disso, boa parte dos professores da rede estadual está em greve há mais de três meses por reajuste salarial, melhorias na estrutura de trabalho, entre outras demandas.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212