Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Prefeito do Rio diz que Jogos Olímpicos não causaram crise estadual - Jornal Brasil em Folhas
Prefeito do Rio diz que Jogos Olímpicos não causaram crise estadual


O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, disse hoje que a crise financeira do estado não tem relação com os Jogos Olímpicos, nem representa uma ameaça para a competição. Em entrevista coletiva, reconheceu que o decreto de calamidade pública do governo do estado causou um desgaste à imagem da prefeitura, mas defendeu que a crise não tem vínculo com os jogos e que as contas públicas do município estão equilibradas.

Não é verdade que a Olimpíada quebrou o estado. Se alguém tivesse que quebrar, seria a prefeitura, que fez 94% das coisas, disse o prefeito. Eles [os governantes do estado] chegaram a essa situação por uma série de outros motivos, mas garanto que não foi por causa dos Jogos Olímpicos, explicou.

Apesar disso, Paes defendeu que é correto e justo que o governo federal ajude financeiramente o governo do Rio de Janeiro, que prevê um déficit de R$ 19 bilhões em 2016 e decretou estado de calamidade pública na última sexta-feira. No decreto, o governador em exercício Francisco Dornelles afirmou que a grave crise financeira impede que o estado arque com compromissos assumidos para a Olimpíada.

Segurança

O prefeito afirmou que a ajuda ao estado servirá para garantir serviços essenciais, como a segurança pública, mas disse que os jogos não serão impactados pela situação fiscal em que se encontra o Rio de Janeiro.

Afirmou, também, que a cidade se encontra hoje financeiramente melhor que no início dos jogos e disse que os gastos dos cofres municipais com estádios desde 2009 foram de R$ 732 milhões, enquanto mais de R$ 4 bilhões foram captados pela prefeitura na iniciativa privada para este objetivo.

O orçamento total dos jogos é de R$ 39,07 bilhões, e 57% desse valor são de origem privada. Segundo a prefeitura, cerca de R$ 24 bilhões foram destinados a obras de legado, e R$ 7,07 bilhões à construção de estádios e instalações esportivas que serão usadas na competição. Segundo dados, 60% do que foi gasto em estádios e 43% do que foi investido em obras públicas de legado têm origem privada. Outros R$ 7,4 bilhões são o orçamento do Comitê Rio 2016, que é 100% privado e obtido com a venda de ingressos e direitos de transmissão.

A prefeitura informou, ainda, que a taxa de investimento cresceu para 16,1% e que o peso da dívida caiu de 9% do orçamento para 4% entre 2009 e 2016.
Ninguém vai poder chegar aqui em 2020 e dizer que a prefeitura está passando por dificuldades porque se endividou muito com Olimpíada, finalizou.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212