Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 A dois dias de referendo, britânicos estão divididos entre ficar ou sair da UE - Jornal Brasil em Folhas
A dois dias de referendo, britânicos estão divididos entre ficar ou sair da UE


Depois de amanhã, na quinta-feira 23 de junho, os britânicos vão às urnas votar no referendo Brexit, que vai decidir se o Reino Unido permanece ou não na União Europeia (UE). O resultado deve ser divulgados nas primeiras horas do dia seguinte. O nome Brexit faz referência ao termo exit (saída em inglês) e as iniciais de Britain (Grã-bretanha).

Há tão pouco tempo do referendo, a disputa entre os que querem que o país fique e os que que querem deixar a UE é acirrada. Pesquisas de opinião que estão sendo feitas no país apresentam resultados controversos.

De acordo com uma sondagem realizada pelo site britânico YouGov, 42% dos entrevistados querem permanecer no bloco europeu, enquanto 44% apoiam a saída da UE. Outro estudo de opinião, da agência Survation, mostra tendência inversa: 45% dos entrevistados são a favor de permanecer no bloco, contra 44% dos que defendem a saída. Os demais estão indecisos.

No último domingo (19), foram publicados os resultados de uma pesquisa encomendada pelo jornal The Independent. De acordo com o periódico, 44% dos entrevistados disseram que ficariam muito satisfeitos com a saída da UE, enquanto apenas 28% afirmaram sentir o mesmo sobre permanecer na UE.

Em fevereiro, quando anunciou o referendo, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, confirmou que a posição oficial do governo britânico será defender a continuidade do país numa Europa reformulada.

Divididos

Para alguns analistas, o assassinato da deputada Jo Cox, defensora dos direitos dos migrantes e refugiados e da permanência do Reino Unido na União Europeia, pode contribuir para aumentar o apoio à permanecia do país na UE. Ela foi assassinada na quinta-feira da semana passada, a tiros e facadas, por um nacionalista xenófobo com supostas ligações a grupos neonazistas em Birstall, no Norte de Inglaterra.

O discurso contra políticas de acolhimento a refugiados tem sido usado frequentemente para engrossar o coro dos que pretendem deixar a UE. Tanto que Nigel Farage, líder do partido anti-imigração UKIP e um dos grandes defensores do Brexit, se viu envolvido em uma polêmica após utilizar uma fotografia de imigrantes em sua campanha. Diversas pessoas, através das redes sociais, apontaram as semelhanças entre a fotografia escolhida por Farage e uma imagem de propaganda nazista divulgada em um documentário da BBC.

Já do lado dos que defendem a permanência na União Europeia, os discursos focam o impacto econômico de uma eventual saída do bloco, lembrando que, após a decisão, não há como voltar atrás. David Cameron e o seu ministro das Finanças, George Osborne, reforçaram os alertas.

Economia

A saída de um país da UE está prevista no Artigo 50º do Tratado de Lisboa, de 2009, que afirma que qualquer Estado-Membro pode decidir, em conformidade com as respectivas normas constitucionais, retirar-se da União Europeia.

George Soros, investidor húngaro nacionalizado americano que fez fortuna investindo contra a libra esterlina nos anos 1990, afirmou hoje, para o jornal The Guardian, que uma eventual saída do bloco europeu terá sérias consequências para o emprego e para as finanças do país.

Ele afirmou que caso a saída do bloco vença, a libra deve cair vertiginosamente, uma queda de pelo menos 15% mas que poderá ultrapassar os 20%, ficando abaixo dos US$ 1,15 contra os atuais US$ 1,46.

“Um voto a favor do Brexit faria algumas pessoas muito ricas, mas a maioria dos eleitores ficaria consideravelmente mais pobre. Eu quero que as pessoas saibam quais são as consequências de sair da UE antes de votar, e não depois. Sair da UE não só afetaria o preço da moeda britânica como teria igualmente um impacto imediato e dramático nos mercados financeiros, no investimento, nos preços e nos empregos”, afirma Soros.

A campanha Vote Leave, que defende a saída da União Europeia, afirma em seu site que, desde 1973, o Reino Unido já gastou meio trilhão de libras com a UE; que 250 mil migrantes da UE vão para lá anualmente; e que isto sobrecarrega os serviços públicos de saúde e educação.

Europa

Em Portugal, a saída do Reino Unido é vista com preocupação por muitos analistas. Há o temor de que o turismo britânico no país diminua, caso a libra se desvalorize, o que tornaria as viagens ao exterior mais caras. Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), os britânicos lideraram o turismo em Portugal em abril deste ano.

Um estudo da Fundação alemã Bertelsmann sobre a opinião dos europeus acerca do Brexit revela que apenas 20% dos europeus estão a favor da saída do Reino Unido do bloco. Segundo a pesquisa, 54% dos entrevistados desejam que o país continue membro da UE.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212