Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 “O dono do morro é o presidente da favela”, diz autor sobre o Nem da Rocinha - Jornal Brasil em Folhas
“O dono do morro é o presidente da favela”, diz autor sobre o Nem da Rocinha


O jornalista britânico Misha Glenny estava no Brasil em 2011, quando o traficante Nem, chefe do crime organizado na Rocinha, foi preso. O assunto ganhou destaque no noticiário e chamou a atenção do autor, que estava à procura de um assunto que contasse a complexidade do Brasil e quebrasse os estereótipos sobre o país. Esse interesse fez nascer o livro O Dono do Morro: Um Homem e a Batalha pelo Rio, da editora Companhia das Letras.

Nos dias seguintes, eu lia tudo sobre o Nem da Rocinha nos jornais. Assisti à televisão e fiquei impressionado que a metade do Rio acreditava que o Nem foi um demônio e a outra metade considerava ele um herói. Como um tipo de Robin Hood, conta ele, que é um dos autores convidados da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) e participa de uma mesa com o jornalista brasileiro Caco Barcellos na tarde de hoje (30). As favelas e as quadrilhas têm um impacto tão grande na vida dos moradores, mas essa história muito importante é normalmente uma história não escrita. Quero contribuir para contar os acontecimentos no Rio que somente poucas pessoas sabem.

Em 28 horas de conversas com Nem no presídio e de entrevistas com aliados, inimigos e familiares do traficante, Misha conta o que entendeu do personagem e de como o crime organizado controla as favelas do Rio de Janeiro. O britânico morou por dois anos na Rocinha, aprendeu português e contou com a ajuda de jornalistas brasileiros no levantamento das informações.

O dono do morro não é só o chefe do tráfico, ele é de fato o presidente da favela onde mora. Esse foi o caso com o Nem da Rocinha. Os três instrumentos de controle são primeiro o monopólio da violência, segundo, o apoio da comunidade, e terceiro, a corrupção da polícia, descreve ele, que encontrou em Nem um dono do morro com características peculiares, como ter entrado para a facção criminosa apenas aos 24 anos, quando já tinha experiência profissional em coordenar uma equipe de entrega de revistas no morro. O Nem percebeu que se a taxa de homicídios e a violência caíssem, os lucros do negócio subiriam. Isso fez com que a Rocinha passasse a ser encarada pelos consumidores de drogas como um lugar seguro para comprar. O dono do morro [o traficante Lulu] reconheceu seu talento bem rápido, e é por isso que ele ascendeu muito rapidamente.

Misha Glenny conta que a chegada de Nem ao tráfico foi motivada pela necessidade de custear o tratamento médico de sua filha, que havia sido diagnosticada com uma doença rara ainda bebê. Para mim, ele foi um símbolo da desigualdade da sociedade brasileira e da sociedade carioca. E de como é uma sociedade bem dividida.

Tráfico internacional

De sua pesquisa, o jornalista britânico destaca que, em 1982, a taxa de homicídios no Rio de Janeiro era a mesma da cidade de Nova York. Sete anos depois, no entanto, o índice já havia triplicado, enquanto a cidade americana mantinha o patamar. O jornalista considera essa a estatística mais importante do livro, por mostrar, segundo ele, como o tráfico internacional de cocaína da Colômbia para a Europa fez crescer a violência no Brasil.

Cada vez que um país se torna o trânsito principal da droga, ele desenvolve o hábito no nível local. Isso aconteceu no Brasil e especialmente no Rio de Janeiro, acrescentou.

Para o autor, a capital fluminense, porém, não está na rota das grandes movimentações de drogas, que são controladas pelo Primeiro Comando da Capital (PCC). O grupo atua em, ao menos, 14 estados. A cidade, entretanto, tem um tráfico mais visível, por suas características geográficas terem formado grupos rivais que precisam de forte armamento para se defender uns dos outros e da polícia. No Rio, essa geografia levou ao desenvolvimento de diferentes grupos.

O autor considera que a legalização do uso da maconha seria um avanço, mas não teria grande impacto no poder dos traficantes, que têm a cocaína como sua principal fonte de lucro. Eles comercializam maconha, mas dizem que maconha é um pé no saco. Que pesa muito, não é lucrativo e fede.

UPPs

Entre os entrevistados para o livro de Glenny está o secretário de segurança pública do estado do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame. O jornalista avalia que o trabalho das unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) foi um experimento corajoso e ousado, mas que a falta de apoio na retaguarda de políticas sociais o prejudicou.

O caso Amarildo quase derrubou a UPP, e isso mostra como foi frágil a UPP, especialmente agora, porque a crise no Brasil está tendo um impacto muito ruim no sistema de segurança da UPP. Está colapsando na Rocinha, no Alemão e em outras favelas, destacou.

Olimpíada

Na avaliação dele, a segurança pública na cidade não deve ter grandes alterações até os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, mas pode piorar depois. Tenho medo que a situação depois dos Jogos Olímpicos estará muito pior, não somente no morro, mas no asfalto também. O morro e o asfalto, embora sejam muito separados, são intrinsecamente ligados, socialmente, economicamente e politicamente, mesmo que as pessoas não percebam.

A Festa Literária de Paraty homenageia este ano a poetiza carioca Ana Cristina Cesar e reúne, até domingo (3), artistas, escritores e cineastas no litoral fluminense.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212