Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Governo não venderá ativos da Eletrobras a qualquer preço, diz ministro - Jornal Brasil em Folhas
Governo não venderá ativos da Eletrobras a qualquer preço, diz ministro


Apesar da necessidade de devolver a liquidez para que a Eletrobras volte a investir em projetos e toque o processo de desinvestimento de parte dos ativos, o governo federal não venderá esses ativos [os bens] a qualquer preço.

A afirmação foi feita hoje (30) pelo ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Filho, após participar da abertura do Brasil Solar Power 2016, o primeiro evento oficial do setor de energia solar, que reuniu autoridades e empresários do setor, no Centro de Convenções SulAmérica, no Estácio, no Rio de Janeiro.

O ministro confirmou que o processo de desinvestimento será comandado pelo professor Vicente Falconi, que deverá ser confirmado na diretoria da holding (empresa que detém a posse majoritária de ações de outras empresas) na próxima assembleia geral, no dia 22 de julho.

“Sobre a situação em que a Eletrobras se encontra é preciso devolver a liquidez para a empresa. Nós estamos ainda em fase de aprovação da nova diretoria, que deverá confirmar no próximo dia 22 Wilson Ferreira como novo presidente”, disse.

Lógica da desmobilização

Para o ministro de Minas e Energia, está mais do que evidente que alguns ativos terão mesmo que ser desmotivados, “mas com a lógica da desmobilização. Nós não vamos vender a qualquer custo os ativos da Eletrobras, até para que não reste nenhuma dívida relativa a esses ativos. Mas evidentemente que do tamanho que ela está não pode ficar”, afirmou.

Ao admitir que levantamentos apontam para uma receita proveniente desta desmobilização de ativos de R$ 20 bilhões, Bezerra Filho adiantou que o processo terá início pelos ativos de alienação. Levantamentos indicam que podem ser arrecadados até R$ 20 bilhões e [o processo] vai começar “pelas distribuidoras”.

Leilão de energia

O ministro informou que o governo federal deverá promover apenas um leilão de energia. Ele disse que o primeiro Leilão de Energia de Reserva, previsto para 29 de julho, será cancelado.

Para este leilão, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) já havia cadastrado 428 projetos que representavam 10.195 megawatts de potência instalada. Em consequência, o leilão previsto para outubro deverá ocorrer “um pouco maior”, especificou.

Na avaliação do ministro, o governo tem que solucionar, primeiro, um grande problema envolvendo a questão da sobrecontratação. Neste sentido, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e técnicos do ministério estudam a melhor forma de realizar a licitação, que, no entanto, ainda não está definida se será de reserva.

“Mas terá leilão ainda este ano porque seria um contrassenso nesse momento de sobreoferta [energia contratada em excesso], em que estamos tendo um trabalho enorme para resolver essa questão, a gente contratar mais energia”, explicou.

O ministro disse, ainda, que o Ministério de Minas e Energia está atento à curva de crescimento da demanda de energia, mas que o governo fará isso com calma. “Mas não vamos cair naquilo de negar ao país lá na frente um retardamento no seu crescimento por falta de energia”.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212