Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Maduro quer ajuda da Celac para enfrentar crise econômica na Venezuela - Jornal Brasil em Folhas
Maduro quer ajuda da Celac para enfrentar crise econômica na Venezuela


O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, viajou hoje (27) para o Equador, onde pedirá ajuda aos países membros da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) para enfrentar a crise econômica no seu país.

"Venho apresentar um conjunto de propostas para, desde a América Latina, enfrentar a emergência econômica da Venezuela", informou aos jornalistas na chegada a Quito, onde participará da quarta cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).


Para Maduro, a Venezuela entrou num "período de turbulência econômica" devido à queda dos preços do petróleoEPA/Palácio Miraflores/Agência Lusa

Segundo Nicolás Maduro, a Venezuela entrou num "período de turbulência econômica" devido à queda dos preços do petróleo, apostando, no entanto, em manter as políticas sociais e o rumo de crescimento e igualdade.

"Há um balanço positivo da década em curso. Estamos em situação difícil. Declarei emergência econômica para fortalecer o (que é) social, defender os direitos sociais do povo e iniciar um novo modelo econômico produtivo", acrescentou.

Com 107 votos contra (da oposição) e 53 a favor, o parlamento venezuelano rejeitou na segunda-feira ( 22) o Decreto de Emergência Econômica assinado por Nicolás Maduro para enfrentar a crise econômica do país.

O decreto presidencial, que teria duração inicial de 60 dias prorrogáveis e foi declarado constitucional pelo Supremo Tribunal de Justiça, deverá ser devolvido ao chefe de Estado para ser reformulado.

Segundo a oposição, que tem a maioria no parlamento, a aprovação do decreto de emergência poderia agravar a crise, por não abordar com precisão matérias políticas, financeiras e cambiais.

Os deputados oposicionistas alegaram também que não foram publicados dados oficiais sobre os índices econômicos e que o decreto facilita a possibilidade de apropriação indevida de fundos, não protege o gasto social e poderia servir para atacar algumas empresas privadas.

De acordo com o governo, o decreto tinha por objetivo combater a "guerra econômica" e "construir uma Venezuela produtiva e independente", além de enfrentar a conjuntura criada pela queda dos preços do petróleo, a principal fonte de receitas do país.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212