Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


10 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Fundo socioambiental vai financiar projetos de sustentabilidade para o Rio - Jornal Brasil em Folhas
Fundo socioambiental vai financiar projetos de sustentabilidade para o Rio


A organização não governamental Cariocas em Ação, gestora do Pacto do Rio, firmou acordo, durante o 1º Fórum de Sustentabilidade do Rio, encerrado hoje (14), para criação do Fundo de Resiliência Metropolitana, um fundo social que vai financiar carteira de projetos sociais e ambientais para aumentar a sustentabilidade do Rio de Janeiro. O fundo conta com parceria da organização social de interesse público (Oscip) Sitawi Finanças do Bem, que hospeda fundos filantrópicos temporários e mobiliza capital para impacto socioambiental positivo.

Desenvolvido pelo Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos (IPP), o Pacto do Rio foi lançado em dezembro de 2014 e se baseia no conceito de redes entrelaçadas. Segundo informou a economista Eduarda La Rocque, fundadora do Pacto do Rio e presidente da Cariocas, os recursos captados para o fundo serão geridos por um comitê e aplicados, de forma prioritária, em projetos que resultem em ações nas comunidades carentes. “Nosso foco é em áreas vulneráveis. A gente está pensando a resiliência da metrópole a partir da redução de desigualdades sociais”.

A limpeza da Baía de Guanabara, por exemplo, que poderá receber recursos do fundo, deverá constituir o projeto de maior impacto social, econômico e ambiental da metrópole. Para que se alcance o objetivo final de limpar a baía, Eduarda observou que a comunidade de Manguinhos terá de ser acionada para evitar o despejo de lixo na região, por meio de prevenção e conscientização da população, a serem feitas pelos agentes locais. Nesse sentido, salientou o início, no dia 1º de agosto, do projeto-piloto do Pacto do Rio que prevê a capacitação de 15 jovens moradores de Manguinhos como Agentes da Cidadania. Os jovens têm idades entre 16 e 24 anos. Eles terão formação em cidadania, inovação e empreendedorismo e receberão bolsa mensal para estudar e atuar como mobilizadores na região.

“O que a gente quer com esse fundo é criar um arcabouço jurídico institucional adequado para que pessoas físicas que quiserem doar para os projetos possam ter transparência e controle social sobre a alocação dos recursos”, explicou Eduarda. O fundo deverá ser lançado no dia 1º de agosto e terá prazo máximo de dois anos. “É uma coisa temporária para a gente ter um instrumento chamado Endowment Fund, que são fundos de doação de mais longo prazo”.

Os recursos de filantropia permitirão a criação, na Associação Comercial do Rio de Janeiro, do Centro de Resiliência Metropolitano, que se encarregará da gestão de riscos urbanos da metrópole, de forma profissionalizada. O Centro de Resiliência tem previsão de inauguração pelo Pacto até dezembro do ano que vem. Eduarda La Rocque destacou que o Pacto é um conjunto de ações com formas diferentes de financiamento. O fundo filantrópico de doação é um dos instrumentos financeiros que vão ser acionados para estimular doações de pessoas físicas.

Regularização

Há cerca de quatro anos, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social solicitou à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a regularização dessa nova categoria de Fundo de Investimento Socioambiental (FISA), instrumento financeiro que busca retornos sociais e ambientais. Eduarda La Rocque esclareceu que de acordo com a legislação existente hoje no Brasil, é possível fazer doações, mas sem o arcabouço jurídico institucional adequado, como existe nos Endowment Fund de universidades norte-americanas, por exemplo. Por isso, a opção pela criação do fundo filantrópico de curto prazo, “para depois estruturar um instrumento definitivo, que depende de regulamentação da CVM”.

Segundo Eduarda, uma vez regularizado pela CVM, o Endowment Fund dará mais segurança ao doador com relação aos instrumentos existentes no mercado brasileiro, além de garantir perenidade para esse Centro de Resiliência Metropolitano, que seria a institucionalização do Pacto do Rio, com a meta de reduzir a desigualdade territorial e social da metrópole do Rio de Janeiro “e assim conseguir uma cidade mais segura e, portanto, mais favorável ao ambiente de negócios”. O pacto é baseado no conceito de economia circular, que destaca a sustentabilidade e propõe o reaproveitamento de tudo que é produzido.

Eduarda La Rocque acredita que a criação de fundos de investimento sociais tem potencial para alavancar as políticas sociais públicas das áreas de saúde, educação e preservação do meio ambiente com recursos privados.

Procurada pela Agência Brasil, a CVM respondeu que “está permanentemente e, sempre que necessário, modernizando a regulamentação do mercado de capitais, em função de fatores diversos, tais como estruturas inovadoras, experiência da supervisão, demandas de agentes de mercado, entre outros”. Em relação à regularização do Fundo de Investimento Socioambiental, a autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda informou que “vem mantendo tratativas com alguns participantes do segmento, a fim de analisar, debater e alinhar prioridades relativas à temática”.

 

Últimas Notícias

Petrobras demite funcionários com prisão decretada na Lava Jato
Porto de Santos movimenta 110 milhões de toneladas de carga em 2018
Alimentos da cesta básica estão mais caros em 16 capitais brasileiras
Vendas internas de veículos novos têm melhor resultado desde 2015
BNDES lança programa para atender startups
Mercosul e UE retomam negociação com expectativa de acordo até março
Poupança tem menor captação para meses de novembro em três anos
Toma posse diretoria da nova Agência Reguladora de Mineração

MAIS NOTICIAS

 

Moro reafirma “confiança pessoal” em Onyx
 
 
Após discussão, votação do Escola sem Partido em comissão é suspensa
 
 
Senado aprova projeto que congela distribuição de recursos do FPM
 
 
Crediário e cartão são os maiores responsáveis pela inadimplência
 
 
Balança comercial tem segundo melhor superávit para meses de novembro
 
 
Enel anuncia R$ 3,1 bi em distribuição de energia em São Paulo

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212