Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Apuração de acidente de trem na Itália mira chefe de estação - Jornal Brasil em Folhas
Apuração de acidente de trem na Itália mira chefe de estação


A Procuradoria de Trani, que apura o acidente ferroviário que matou 23 pessoas na região italiana da Puglia na última terça-feira (12), colocou sob investigação funcionários da estação de Andria, de onde partiu um dos trens envolvidos na tragédia.

Segundo os promotores, a composição não deveria ter sido liberada para seguir viagem, já que outra, proveniente de Corato, nos arredores de Bari, percorria os trilhos no sentido inverso. As duas se chocaram frontalmente na saída de uma curva, em um trecho de binário único. A equipe da estação de Corato também está sendo investigada.

O inquérito aberto pela Procuradoria de Trani trabalha com a hipótese de crime de desastre ferroviário e homicídio culposos, ou seja, quando não há intenção de matar. Os alvos são todos funcionários da Ferrotramviaria, empresa privada que administra o ramal.

No momento, as atenções estão voltadas aos responsáveis pelas estações de Andria e Corato. É verdade, aquele trem não deveria ter partido. E eu levantei o sinal verde. Não sabia que de Corato estava chegando outro trem, por isso autorizei, disse Vito Piccarreta, chefe da estação de Andria, em entrevista ao jornal La Repubblica.

O homem afirmou estar desesperado, mas negou ser o único responsável pela tragédia. Um só erro não pode ter causado tudo isso, acrescentou. A dinâmica exata do acidente ainda não está clara, mas é certo que o trem de Andria saiu com 10 minutos de atraso, permitindo a colisão.

Outro foco da investigação é descobrir se houve falhas no sistema de segurança do ramal ferroviário e se a não conclusão de um projeto de duplicação da linha – a obra deveria ter terminado em 2015 – teve caráter decisivo no incidente. De qualquer forma, os maquinistas dos trens, ambos mortos no desastre, foram absolvidos.

Pelo que o inquérito apurou até aqui, os condutores sequer tiveram tempo de reagir quando deram um de frente com o outro. Além disso, só deixaram suas respectivas estações porque foram autorizados.

No Hospital Policlínico de Bari, onde estão os corpos das vítimas, o clima era de consternação, dois dias após o acidente. Na manhã desta quinta-feira (14), os familiares dos mortos se reuniram na frente do prédio e começaram a gritar, em lágrimas, assassinos.

Durante a tarde, eles serão recebidos em Bari pelo presidente da Itália, Sergio Mattarella.

 

Últimas Notícias

Instituições financeiras reduzem previsão de déficit primário em 2018
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% em 2019
Eletrobras: suspensão de leilão se estende a Amazonas Energia
BNDES voltará a subscrever ações de empresas
Juros do cheque e empréstimo pessoal em 2018 foram menores que em 2017
São Paulo fecha ano com 9,9 milhões de empregos formais no comércio
Governo libera 100% de capital estrangeiro nas aéreas nacionais
BNDES fecha o ano com desembolsos de R$ 71 bilhões

MAIS NOTICIAS

 

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
 
 
Câmara aprova incentivos fiscais a Sudene, Sudam e Centro-Oeste
 
 
Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar
 
 
Doria diz a Moro que estados precisam de recursos para a segurança
 
 
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
 
 
CGU recupera R$ 7,23 bilhões para os cofres públicos este ano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212