Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Crise dos Correios pode deixar tarifas mais caras - Jornal Brasil em Folhas
Crise dos Correios pode deixar tarifas mais caras


Há o diagnóstico de que os preços cobrados pelo serviço de envio de cartas estão aquém do necessário para garantir equilíbrio financeiro à operação. Mesmo após o reajuste promovido no mês passado, de 10,7%, as tarifas ainda estão cerca de 10% abaixo do limite mínimo para garantir lucratividade.
Com isso, outros serviços da empresa, principalmente a entrega de encomendas, compensam parte do prejuízo gerado pela entrega de cartas. Daí, o entendimento de que há um subsídio nessa operação.
A administração dos Correios acredita que a base de clientes, especialmente os corporativos, é sólida e a demanda se manteria apesar de uma elevação de preços. Além disso, o serviço postal é um monopólio garantido pela Constituição ao Estado. Oficialmente, a empresa afirma que, “no momento, não há a previsão de novo reajuste em 2016”. Procurados pela reportagem, os Correios responderam que “não há relação entre a lucratividade no serviço de cartas e o correspondente volume de objetos entregues, o qual se mantém estável”.

Problemas

Além de não ter retorno financeiro na operação postal, a empresa enfrenta problemas com o fundo de pensão de seus funcionários, o Postalis, e com a sociedade que mantém com o Banco do Brasil no Banco Postal.
O fundo para pagar as aposentadorias acumulou um rombo de R$ 7 bilhões em 2015, e os Correios devem ter que ajudar a tapar o buraco. Já no Banco Postal, os Correios buscam um novo parceiro, pois o BB acenou que poderá deixar a sociedade. Sem o novo sócio, a estatal teria que arcar sozinha com os prejuízos da subsidiária: de R$ 2,1 bilhões só em 2015.
Em meio a esses imbróglios, acabar com o subsídio no principal serviço da estatal é considerado pela cúpula uma premissa básica para recuperar as finanças. A principal explicação para as dificuldades financeiras da estatal está no crescimento das despesas, e não na queda das receitas. Entre os fatores que pesam na conta estão os aumentos salariais para os funcionários. Os Correios estão entre os principais empregadores estatais, com aproximadamente 120 mil trabalhadores. Embora as receitas ainda cresçam, baseadas principalmente no segundo maior serviço da empresa, a entrega de encomendas, o ritmo está aquém da alta de custos. Desde 2010, o crescimento médio real (descontada a inflação) das receitas foi de 1% ao ano, enquanto os salários subiram mais de 2% ao ano.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212