Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


26 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Turquia prossegue com expurgos e aliados mostram preocupação - Jornal Brasil em Folhas
Turquia prossegue com expurgos e aliados mostram preocupação


A busca por amotinados, agora designados oficialmente como terroristas, prosseguia na Turquia após o golpe de Estado frustrado, e apesar das advertências da comunidade internacional, preocupada com a magnitude da onda de detenções.

Mais de 7.500 pessoas foram detidas no país desde a tentativa de golpe contra o presidente Recep Tayyip Erdogan na sexta-feira, incluindo 6.038 militares, 755 magistrados e 100 policiais, anunciou nesta segunda-feira o primeiro-ministro Binali Yildirim.

Um total de 103 generais e almirantes turcos se encontram detidos e estão sendo investigados por eventual participação na tentativa de golpe de Estado, informou a agência de notícias pró-governo Anatólia.

Entre os detidos mais importantes estão o general Mehmet Disli e o general Akin Oztürk.

A polícia antiterrorista também realizou uma operação na prestigiosa Academia Aérea de Istambul, de acordo com a Anatólia.

O governo turco demitiu mais de 8.700 funcionários do ministério do Interior.

O balanço de mortos intentona golpista subiu nesta segunda-feira para 308. O primeiro-ministro anunciou que 208 pessoas, sendo 145 civis, 60 policiais e três soldados, morreram fazendo oposição ao golpe. Além disso, também faleceram 100 golpistas.

Advertências internacionais

Erdogan mencionou no domingo à noite em Istambul, diante de uma multidão em delírio, a possibilidade de restabelecer a pena de morte na Turquia.

A tentativa de golpe de Estado não foi apenas um complô pérfido, e sim uma campanha terrorista, afirmou o ministério das Relações Exteriores em um comunicado.

União Europeia e Estados Unidos fizeram um apelo à Turquia para que respeite o estado de direito na investigação do golpe, declarou nesta segunda-feira em Bruxelas o secretário de Estado americano, John Kerry.

Nós pedimos com firmeza ao governo da Turquia que mantenha a calma e a estabilidade no país, declarou Kerry.

Também pedimos ao governo da Turquia que respeite as instituições democráticas da nação e o estado de direito, completou, após uma reunião com os ministros das Relações Exteriores da UE.

A Alemanha denunciou cenas de arbitrariedade e vingança na Turquia após a intentona e afirmou que caso Ancara restabeleça a pena de morte isto significaria o fim das negociações de adesão à UE.

Em uma tentativa de acalmar os ânimos, o primeiro-ministro do país disse que a Turquia fará com que os golpistas prestem contas por cada gota de sangue derramado, mas dentro da lei.

Ao falar sobre o possível restabelecimento da pena de morte, Yildirim disse que é um tema que deve ser analisado de maneira detalhada, debatido no Parlamento e que precisa de uma mudança na Constituição.

Não é bom tomar decisões precipitadamente, completou, antes de ressaltar, no entanto, que não se pode ignorar um pedido do povo.

Ao mesmo tempo, Erdogan pediu aos Estados Unidos a extradição do imã turco Fethüllah Gülen, seu opositor e a quem acusa de estar por trás da tentativa de golpe, para que seja julgado.

O pregador muçulmano, refugiado nos Estados Unidos, nega categoricamente qualquer envolvimento nos atos violentos de sexta-feira.

Kerry disse que o governo turco deve apresentar provas sobre a eventual participação no golpe de Gülen, que dirige o poderoso movimento Hizmet (Serviço), que na Turquia dispõe de escolas, ONGs e empresas.

Os voos comerciais entre a Turquia e os Estados Unidos continuam suspensos nesta segunda-feira, pelo terceiro dia consecutivo.

Quase 1.800 membros das forças especiais da polícia foram mobilizados durante a noite em vários locais de risco, de acordo com a agência Anadolu.

Isto não terminou, não desarmem, afirma a manchete do jornal Hurriyet, que cita os apelos de Erdogan a seus partidários para que permaneçam mobilizados.

Em resposta aos apelos, milhares de pessoas se reuniram no domingo à noite nas praças Taksim e Kizilay, em Ancara.

Durante o dia, vamos trabalhar. À noite, depois do trabalho, vamos continuar com nossa vigília, afirmou em Ancara o primeiro-ministro turco.

 

Últimas Notícias

Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
Temporal no RS deixa mais de 360 mil residências sem luz
Livro aborda mentiras contadas por presidentes do Brasil em 100 anos
Setor da cachaça lança manifesto contra carga tributária
Polícia busca PM sequestrado por criminosos na zona oeste do Rio
Bolsonaro passa bem e tem dreno retirado do abdome
PM encontra carro de policial sequestrado no Rio
Festival de Brasília termina hoje com entrega de premiações

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212