Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Turquia prossegue com expurgos e aliados mostram preocupação - Jornal Brasil em Folhas
Turquia prossegue com expurgos e aliados mostram preocupação


A busca por amotinados, agora designados oficialmente como terroristas, prosseguia na Turquia após o golpe de Estado frustrado, e apesar das advertências da comunidade internacional, preocupada com a magnitude da onda de detenções.

Mais de 7.500 pessoas foram detidas no país desde a tentativa de golpe contra o presidente Recep Tayyip Erdogan na sexta-feira, incluindo 6.038 militares, 755 magistrados e 100 policiais, anunciou nesta segunda-feira o primeiro-ministro Binali Yildirim.

Um total de 103 generais e almirantes turcos se encontram detidos e estão sendo investigados por eventual participação na tentativa de golpe de Estado, informou a agência de notícias pró-governo Anatólia.

Entre os detidos mais importantes estão o general Mehmet Disli e o general Akin Oztürk.

A polícia antiterrorista também realizou uma operação na prestigiosa Academia Aérea de Istambul, de acordo com a Anatólia.

O governo turco demitiu mais de 8.700 funcionários do ministério do Interior.

O balanço de mortos intentona golpista subiu nesta segunda-feira para 308. O primeiro-ministro anunciou que 208 pessoas, sendo 145 civis, 60 policiais e três soldados, morreram fazendo oposição ao golpe. Além disso, também faleceram 100 golpistas.

Advertências internacionais

Erdogan mencionou no domingo à noite em Istambul, diante de uma multidão em delírio, a possibilidade de restabelecer a pena de morte na Turquia.

A tentativa de golpe de Estado não foi apenas um complô pérfido, e sim uma campanha terrorista, afirmou o ministério das Relações Exteriores em um comunicado.

União Europeia e Estados Unidos fizeram um apelo à Turquia para que respeite o estado de direito na investigação do golpe, declarou nesta segunda-feira em Bruxelas o secretário de Estado americano, John Kerry.

Nós pedimos com firmeza ao governo da Turquia que mantenha a calma e a estabilidade no país, declarou Kerry.

Também pedimos ao governo da Turquia que respeite as instituições democráticas da nação e o estado de direito, completou, após uma reunião com os ministros das Relações Exteriores da UE.

A Alemanha denunciou cenas de arbitrariedade e vingança na Turquia após a intentona e afirmou que caso Ancara restabeleça a pena de morte isto significaria o fim das negociações de adesão à UE.

Em uma tentativa de acalmar os ânimos, o primeiro-ministro do país disse que a Turquia fará com que os golpistas prestem contas por cada gota de sangue derramado, mas dentro da lei.

Ao falar sobre o possível restabelecimento da pena de morte, Yildirim disse que é um tema que deve ser analisado de maneira detalhada, debatido no Parlamento e que precisa de uma mudança na Constituição.

Não é bom tomar decisões precipitadamente, completou, antes de ressaltar, no entanto, que não se pode ignorar um pedido do povo.

Ao mesmo tempo, Erdogan pediu aos Estados Unidos a extradição do imã turco Fethüllah Gülen, seu opositor e a quem acusa de estar por trás da tentativa de golpe, para que seja julgado.

O pregador muçulmano, refugiado nos Estados Unidos, nega categoricamente qualquer envolvimento nos atos violentos de sexta-feira.

Kerry disse que o governo turco deve apresentar provas sobre a eventual participação no golpe de Gülen, que dirige o poderoso movimento Hizmet (Serviço), que na Turquia dispõe de escolas, ONGs e empresas.

Os voos comerciais entre a Turquia e os Estados Unidos continuam suspensos nesta segunda-feira, pelo terceiro dia consecutivo.

Quase 1.800 membros das forças especiais da polícia foram mobilizados durante a noite em vários locais de risco, de acordo com a agência Anadolu.

Isto não terminou, não desarmem, afirma a manchete do jornal Hurriyet, que cita os apelos de Erdogan a seus partidários para que permaneçam mobilizados.

Em resposta aos apelos, milhares de pessoas se reuniram no domingo à noite nas praças Taksim e Kizilay, em Ancara.

Durante o dia, vamos trabalhar. À noite, depois do trabalho, vamos continuar com nossa vigília, afirmou em Ancara o primeiro-ministro turco.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro terá uma série de reuniões na próxima semana em Brasília
Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero
Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer
Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte
Estudantes poderão renovar o Fies até o dia 23
Massoterapeuta Dani Bumbum deixa prisão no Rio
Cervejas terão rótulos com os ingredientes usados na fabricação
Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212