Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Investimento em precatórios pode trazer retorno de 35% ao ano; entenda - Jornal Brasil em Folhas
Investimento em precatórios pode trazer retorno de 35% ao ano; entenda


SÃO PAULO – A demora do governo em pagar suas dívidas com a população faz com que algumas pessoas cheguem a esperar por décadas para receber a quantia devida. No entanto, é possível ganhar com esse mercado, investindo em precatórios. Esse investimento consiste, basicamente, na compra de uma dívida de alguém que não pode esperar para receber o pagamento do precatório para lucrar com isso.

Pedro Corino, fundador da Sociedade São Paulo de Investimentos explica que esse pode ser um investimento muito lucrativo, se feito da maneira correta. Ele aponta que o investimento mais adequado é o em precatórios federais alimentícios.

O executivo explica que, além desses precatórios terem prioridade de pagamento, o governo têm realizado esses pagamentos na data prevista. “Para quem está começando, o interessante é procurar por precatórios federais alimentícios. Eles têm prioridade no pagamento, que pode ocorrer em um prazo de 18 a 30 meses. Estes precatórios apresentam um retorno médio de 35% ao ano, muito superior ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), por exemplo”, aponta.

O investidor compra essa dívida com desconto da pessoa que precisa do dinheiro e, assim, lucra no momento no recebimento. O investimento mínimo nessa modalidade é de cerca de R$ 100 mil e, mesmo com o bom histórico do governo federal para esse tipo de precatório, é importante entender que esse segue sendo um investimento de alto risco. Já a compra de precatórios estaduais e municipais é mais arriscada ainda.

Cláudio Pontes, advogado do escritório Sandoval Filho, não recomenda que quem tem um precatório para ser recebido venda essa dívida. “A pessoa acaba sendo prejudicada ao vender sua dívida por um valor inferior. A minha orientação para meus clientes é de não fazer isso, uma vez que ele pode deixar de ganhar dinheiro”, afirma.

 

Últimas Notícias

Receita cria chat para regularizar débitos de pessoas físicas
MP facilita registro de empresas nas juntas comerciais
Mudança em servidor foi a causa de instabilidade ontem, diz Facebook
Corte de pessoal gera economia de R$ 200 milhões, afirma presidente
TCU pede informações antes de decidir sobre leilão de ferrovia
Leilão de aeroportos testa novo modelo em blocos
Pretendentes já ofertaram R$ 2,3 bi no leilão de aeroportos
Aeroportos foram arrematados com ágio médio de 986%

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212